Reuters
Reuters

Gerência do Credit Suisse ajudava clientes a fraudar o Fisco, diz delatora

Orientados por bancos, clientes carregavam milhões em sacos de papel em Zurique; detalhes vieram à tona em delação premiada de banqueira nos EUA

Jamil Chade, correspondente, O Estado de S.Paulo

20 Julho 2017 | 12h43

GENEBRA - Num saco de papel, clientes privilegiados dos discretos e sofisticados bancos suíços carregavam até US$ 1 milhão em espécie pelas ruas de Zurique. O ato não era isolado e nem fruto de um gesto irresponsável do dono da conta. Mas uma sugestão da própria gerência do banco, o Credit Suisse. 

Isso é o que revela um processo conduzido nos EUA e que acusa a banqueira Susanne Meier de ajudar clientes a lavar milhões de dólares. Ela era a responsável do "desk" da América do Norte do banco em Zurique e, se condenada, pode pegar até cinco anos de prisão. 

Nesta semana, a banqueira admitiu seu crime de "conspirar para fraudar os EUA". De acordo com seu depoimento, clientes que passavam a ter problemas com o fisco americano eram orientados pelo Credit Suisse a fechar a conta e buscar um novo banco que aceitasse esconder o dinheiro. Sempre na Suíça.  

Tudo já estava combinado com os bancos parceiros. O cliente retirava os milhões em dinheiro da agência do Credit Suisse em Zurique, andava por alguns metros e logo encontrava outro disposto a receber a fortuna, sem fazer perguntas sobre sua origem e aceitando a bolsa de papel.

+ PGR faz oferta para contratar 'cérebro' suíço da Lava Jato

A partir de 2008, o Credit Suisse começou a ser pressionado pelas autoridades de Washington a passar o nome dos clientes americanos que dispunham de recursos fora dos EUA. Internamente, o banco passou a sugerir a seus clientes que buscassem, na Suíça mesmo, outros bancos, como o Bank Frey ou o Wegelin.

Em maio de 2014, o Credit Suisse admitiu ter ajudado seus clientes a escapar do fisco americano e foi obrigado a pagar uma multa de US$ 2 bilhões. 

+ Suíça condena banqueiro por lavagem de dinheiro de cartolas sul-americanos

A banqueira, agora, fechou um acordo de delação premiada e admitiu ter participado de uma "grande conspiração para ajudar os contribuintes americanos a evadir impostos ao esconder ativos e renda em contas secretas na Suíça". Seu trabalho foi mantido entre 2002 e 2011. 

Um total de até 1,5 mil clientes teriam passado por sua gestão, com grande parte deles residindo na Flórida, Nova Iorque e Chicago. No total, esses clientes acumulavam uma fortuna de US$ 400 milhões, com uma renúncia fiscal de US$ 9,5 milhões. 

Manobras. Para não ser pega nos EUA em suas viagens para visitar clientes, a banqueira do Credit Suisse adotava um procedimento cuidadosamente preparado pela instituição. 

Nenhuma correspondência do banco para o cliente era enviada aos EUA. Era a banqueira quem levava os extratos em mãos até os correntistas. Mas o extrato era impresso em folhas sem o nome do banco. Assim, se fossem consultados pela polícia na aduana americana, não haveria prova de qual banco se referia. O nome do cliente também jamais aparecia no extrato.  

Mesmo seus cartões de visitas eram fabricados especialmente para enganar as autoridades. Ela jamais se apresentava como uma banqueira e apresentava um endereço diferente e uma empresa fictícia para "esconder a natureza e objetivo de seus negócios".

Outra manobra utilizada era a de organizar para que clientes retirassem dinheiro em agências do Credit Suisse em Bahamas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.