bolsa

E-Investidor: Itaúsa, Petrobras e Via Varejo são as ações queridinhas do brasileiro

Gestoras públicas avançam para benefícios além de suas ‘fronteiras’

Fundação do Estado de São Paulo disputa gestão de recursos de servidores da capital paulista e de outros Estados

Idiana Tomazelli e Adriana Fernandes | BRASÍLIA, O Estado de S. Paulo

29 de maio de 2017 | 03h00

Primeiro fundo fechado de servidores públicos criado no País, a Fundação de Previdência Complementar do Estado de São Paulo (SP-Prevcom) vai agora brigar para gerir a aposentadoria complementar dos servidores da cidade de São Paulo.

Num mercado que pode vir a ser aberto para os grandes bancos, caso a proposta de reforma da Previdência seja aprovada pelo Congresso, a SP-Prevcom quer abocanhar também a gestão de previdência complementar de municípios de dentro e fora do Estado. Também está no radar da fundação a gestão da previdência complementar de Estados menores.

O presidente da SP-Prevcom, Carlos Henrique Flory, disse ao Estadão/Broadcast que as conversas com o município de São Paulo estão avançadas. Se o texto da reforma for aprovado do jeito que está, a concorrência poderá ser feita por meio de licitação também com as entidades abertas de previdência complementar, administradas por grandes instituições financeiras.

Flory diz que não tem medo da concorrência e lembra que a fundação não tem fins lucrativos e, portanto, pode oferecer taxas de administração menores. “Não temos nenhum problema de concorrer com as abertas. Temos um limite de taxa de no máximo 1%. As abertas trabalham com 3% e 4%”, diz. 

A SP-Prevcom tem hoje cerca de 20 mil participantes e patrimônio de R$ 670 milhões – superior ao do Funpresp, a previdência complementar dos servidores da União. 

Um fundo multipatrocinado para reunir a previdência complementar de vários municípios do Estado está prestes a ser criado. “Existem muitos municípios que têm poucos servidores que ganham acima do teto. Vamos juntar tudo num fundo.” O Estado de São Paulo já aprovou uma lei permitindo que a fundação faça a gestão da aposentadoria de Estados e municípios. Para Flory, daqui a 40 anos os fundos dos servidores serão maiores dos que os estatais, como a Previ, do BB.

Mais mercado. Já há um projeto de lei que tramita na Câmara dos Deputados para permitir que Estados, Distrito Federal e municípios “contratem” o Fundo de Previdência Complementar do Servidor Público Federal do Executivo (Funpresp-Exe) para administrar seus benefícios. A ideia é permitir que mesmo locais menores, onde a criação e manutenção de um fundo próprio não é viável, tenham um plano de previdência complementar. Mas a abertura da gestão para a iniciativa privada pode retirar fatia desse mercado do Funpresp. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.