Ghosn deixa comando da Nissan nos EUA

O presidente da Nissan e da Renault, Carlos Ghosn, vai abandonar suas funções como responsável pela Nissan nos EUA. Com a saída, o executivo pretende ter mais tempo para se dedicar ao novo plano de recuperação da Nissan, que deve ser apresentado em abril. A iniciativa vem apenas um mês depois de a empresa revisar para baixo sua expectativa de lucro para o ano fiscal de 2006 - que termina agora em março. Será a primeira vez que o lucro da empresa cai em relação ao ano anterior desde que Ghosn assumiu seu comando, em 2000.Ghosn se tornou uma figura admirada dentro do meio automobilístico por ter conseguido recuperar a Nissan - até então, a empresa vinha registrando prejuízos consecutivos. O executivo acumula as funções de presidente da Nissan e da Renault desde o ano passado, quando também apresentou um plano de reestruturação para a companhia francesa. Desde então, vinha dividindo seu tempo entre Tóquio, Paris e Nashville, onde fica a sede da Nissan nos EUA.Em fevereiro, Ghosn disse que a Nissan passava por uma "crise de desempenho". A companhia não deverá cumprir sua meta de vendas globais de 3,73 milhões de unidades no ano que termina no próximo dia 31, nem seu compromisso de atingir crescimento de dois dígitos nos EUA no segundo semestre.O plano de recuperação da empresa deve ser, mais uma vez, focado em corte de custos. A empresa já anunciou que planeja reduzir a produção em duas fábricas no Japão por causa da queda da demanda. Segundo especialistas, a Nissan vem perdendo mercado no país por causa da falta de novos veículos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.