Koji Sasahara/AP
Koji Sasahara/AP

Ghosn diz que aceitará qualquer condição para deixar prisão pagando fiança

Em comunicado divulgado pela agência Kyodo, o ex-presidente da Nissan se compromete a oferecer garantias de que vai colaborar com as autoridades para convencer o tribunal a conceder o direto à fiança; sistema judicial do Japão não costuma dar esse tipo de benefício

EFE

21 Janeiro 2019 | 01h04

O brasileiro Carlos Ghosn, ex-presidente da Nissan, se comprometeu nesta segunda-feira, 21, a aceitar qualquer condição da Justiça do Japão para deixar a prisão por meio de pagamento fiança.

Em comunicado divulgado pela agência de notícias Kyodo, Ghosn se compromete a permanecer no Japão e a oferecer garantias de que colaborará com as autoridades para convencer o tribunal a conceder o direito à fiança, que já foi uma vez rejeitado por um juiz japonês. 

"Continuo preso no centro de detenção 64 dias depois de ser detido, sem data de libertação a vista", afirmou Ghosn na nota publicada por um porta-voz. "Prometo respeitar todas e cada uma das condições que o tribunal possa estabelecer", completou o executivo.

O primeiro pedido de fiança de Ghosn foi negado pela Justiça do Japão, que considerou que havia risco de fuga do brasileiro do país e destruição de provas por parte do acusado. Apesar da negativa, a defesa entrou com uma nova solicitação na última sexta-feira, que deve ser julgada nesta segunda. 

"Irei ao meu julgamento não só porque estou legalmente obrigado a fazê-lo, mas porque estou impaciente por ter a oportunidade de me defender. Não sou culpado do que me acusam e quero defender minha reputação no tribunal. Nada é mais importante do que isso para mim e para minha família", destacou Ghosn.

O executivo é acusado pela Promotoria de Tóquio de esconder das autoridades fiscais compensações milionárias que recebeu da Nissan e de violar a confiança da empresa por utilizar recursos da companhia para cobrir perdas pessoais no mercado financeiro.

Entre as condições que Ghosn estaria disposto a aceitar para ser libertado após pagamento de fiança estão a entrega de seu passaporte às autoridades, não se comunicar com testemunhas e se apresentar diariamente em um local determinado pela Promotoria de Tóquio.

O sistema judicial japonês permite que a defesa apresente tantos pedidos de fiança que desejar, mas os juízes do país não costumam conceder esse tipo de benefício aos acusados.

Os advogados de Ghosn projetam que o novo pedido será negado e acham que o cliente ficará seis meses preso, até o início de seu julgamento

Mais conteúdo sobre:
Carlos GhosnNissan

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.