Regis Duvignau/Reuters
Regis Duvignau/Reuters

Ghosn renuncia à presidência da Renault, mas se mantém como diretor

O brasileiro está preso em Tóquio desde o dia 19 de novembro

Reuters, O Estado de S.Paulo

12 de fevereiro de 2019 | 10h34

No final de janeiro, o executivo Carlos Ghosn renunciou aos postos de presidente do conselho de administração e presidente-executivo da Renault, mas manteve-se como diretor no grupo automotivo francês.

A Renault informou ainda que Thierry Bollore foi indicado para a presidência do conselho de administração da aliança Renault-Nissan.

“A Renault gostaria de especificar que o senhor Carlos Ghosn renunciou de suas posições na presidência do conselho e na presidência-executiva, mas continua como diretor da Renault SA”, afirmou a companhia.

“O senhor Ghosn mantém suas posições na Alliance Rostec Auto e na Renault do Brasil”, acrescentou a montadora.

O brasileiro está preso em Tóquio desde o dia 19 de novembro sob a acusação de ter informado por vários anos rendimentos menores do que deveria em declarações da japonesa Nissan, que é parceira da Renault. Ghosn nega as acusações.

Mais conteúdo sobre:
Carlos GhosnNissanRenault

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.