Leo Souza/Estadão
Leo Souza/Estadão

Dona da Americanas.com e Submarino faz parceria com startup para entregar em favela

B2W fecha parceria com a Favela Brasil Xpress e a organização G10 Favelas para chegar à casa dos moradores da comunidade de Paraisópolis, em São Paulo

Márcia De Chiara, O Estado de S.Paulo

23 de abril de 2021 | 12h23

Excluídos dos serviços regulares de entregas de empresas de logística, moradores de favelas começam a ser alvo de grandes grupos de e-commerce no momento em que as vendas online viraram a tábua de salvação do varejo na pandemia. A B2W, uma das gigantes brasileiras do comércio online, fechou parceria comercial com a startup de logística Favela Brasil Xpress e com a organização G10 Favelas para entregar na comunidade de Paraisópolis, zona sul de São Paulo, produtos vendidos nas lojas online com as bandeiras Americanas, Submarino e Shoptime.

Com isso, mais de 100 mil moradores da comunidade deixam de precisar se deslocar até pontos de retirada de produtos adquiridos pela internet, geralmente agências dos Correios ou lojas físicas do grupo. 

Por questões como falta de CEP (Código de Endereçamento Postal), de numeração nas casas e de segurança, moradores das favelas geralmente estão fora do mapa das empresas de logística. Muitas usam até o jargão “CEP do inferno” para designar áreas onde é alto o risco de roubo de cargas. No entanto, pesquisas mostram que comunidades reúnem mais de 11 milhões de brasileiros, boa parte deles com acesso à internet por meio de smartphones e, portanto, consumidores em potencial.

Inclusão

Nas contas de Gilson Rodrigues, presidente da União de Moradores de Paraisópolis e presidente nacional do G10 Favelas, essas comunidades movimentam por ano no País o equivalente ao PIB de países como Honduras e buscam cada vez mais o e-commerce para realizar compras. O desafio, na sua opinião, estava, exatamente, na logística.

“Temos a pretensão de, em breve, expandir o projeto para outras comunidades e colocar essa população no mapa do e-commerce”, afirma André Biselli, gerente de Operações da B2W Digital, mas sem detalhar os próximos passos. Ele diz que não tem dados precisos sobre potencial de mercado das favelas, mas afirma que há uma demanda reprimida.

Além da parceria comercial, o executivo da B2W destaca o lado social do projeto, que gera emprego, renda e capacitação profissional para os moradores da comunidade, recrutados pela startup para fazer as entregas.

Última milha

Desde o início deste mês, a startup Favela Brasil Xpress, responsável pela última milha (last mile), já realizou cerca de 350 entregas por dia em Paraisópolis. Dois contêineres da B2W instalados em espaço comunitário funcionam como centro de distribuição da varejista. Após a separação, as entregas são feitas em até 12 horas pela startup responsável por levar o produto à casa do cliente. A operação tem uma equipe de 35 pessoas, incluindo entregadores da comunidade que conhecem a geografia da região e circulam com bicicletas e tuk-tuks. “Isso aumenta a eficiência nas entregas”, diz Biselli.

Para Giva Pereira, presidente da Favela Brasil Xpress, a startup surgiu para revolucionar os sistemas de entrega nas comunidades. “Colocamos o Cep das favelas no e-commerce brasileiro por meio de uma iniciativa de logística participativa, social e inclusiva.” 

Concorrência

O Mercado Livre, maior shopping virtual da América Latina, informa, por meio de nota, que tem investido fortemente em sua malha logística para atender aos consumidores de diferentes regiões do País, inclusive em áreas consideradas de risco. No caso dessas áreas, a companhia diz que contrata entregadores da própria localidade, "com a proposta de oferecer a todos os usuários da plataforma de entrega mais rápida do Brasil".

O Magalu, outro gigante do e-commerce, informa que entrega as compras feitas nas loja online  mesmo em áreas consideradas de risco. Procurada, a Via Varejo, dona da Casas Bahia e do Ponto Frio, não retornou a solicitação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.