Edson Ruiz
Edson Ruiz

Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Gigante dos EUA de olho nas ideias brasileiras

IBM ajuda empresas nascentes com ideias inovadoras a ter acesso a tecnologia e a conseguir financiamento

Fernando Scheller, O Estado de S.Paulo

24 de maio de 2011 | 00h00

Empresas brasileiras "nascentes" - também conhecidas como startups - com até cinco anos de mercado terão, a partir deste ano, a chance de ganhar o apoio da gigante americana de tecnologia IBM para transformar projetos inovadores em realidade. O Brasil entra no circuito do projeto SmartCamp - em tradução aproximada, "acampamento de inteligência" -, que premia companhias com ideias originais.

Segundo o vice-presidente de marketing da IBM, Mike Riegel, o objetivo é promover soluções que ajudam a resolver problemas que afetem um grande número de pessoas, como o atendimento à saúde e o trânsito. A vencedora da etapa nacional, além de ter o projeto implementado, será selecionada a participar da competição mundial, que escolherá o "Empreendedor do Ano" entre projetos de 18 nações.

Riegel diz que a inclusão do País no rol de participantes neste segundo ano de SmartCamp - ao lado da Alemanha e da China, que também foram adicionados à competição - foi motivada pelo aumento do número de empresas brasileiras de pequeno porte de perfil inovador. "O mercado de private equity e venture capital (que aplica recursos em startups) cresceu de US$ 6 bilhões em recursos para US$ 40 bilhões nos últimos seis anos", explica.

Vantagens. Durante o período da competição, as companhias poderão receber usar ferramentas tecnológicas da IBM. A gigante americana também ajudará os microempresários a traçar planos de negócios mais claros antes da etapa final da competição nacional. Além disso, o relacionamento com a IBM pode trazer visibilidade para o projeto, o que pode atrair outros investidores de longo prazo. As inscrições para o concurso devem ser feitas pela internet, e o prazo vai até agosto. A empresa vencedora será escolhida em novembro.

A baiana Softwell recebeu R$ 1 milhão do braço de investimentos do Banco Mundial depois de participar de um evento promovido pela IBM há dois anos, antes da introdução do "acampamento de inteligência". A empresa, conhecida pela ferramenta Maker - que reduz a necessidade do uso de códigos no desenvolvimento de softwares -, criou um sistema de gestão de serviços de saúde que chamou a atenção do órgão internacional.

O Saúde Digital, já implantado pela Prefeitura de Feira de Santana (BA), organiza a identificação do paciente - com leitura de impressão digital -, armazena o histórico de tratamentos e faz a gestão do atendimento nos hospitais e postos de saúde. Ao ser chamado, o cliente vê em uma tela seu nome e fotografia. "Atraímos a atenção do Banco Mundial em uma apresentação de 10 minutos", lembra Wellington Freire, presidente da Softwell.

Agora, a empresa - que deve faturar R$ 17 milhões este ano, contra R$ 10 milhões em 2010 - investe suas fichas na organização do trânsito das grandes cidades com um projeto atualmente em fase de testes em Salvador, o TechBus. A Softwell criou uma ferramenta de gestão que presta serviços tanto para empresas de ônibus quanto ao usuário.

O passageiro poderá receber informações sobre o quanto terá de esperar pelo próximo coletivo pelo telefone celular. Além disso, os ônibus virão equipados com rede wi-fi e monitores que darão informações sobre a rota, incluindo pontos turísticos. Já as companhias vão receber dados que ajudarão no gerenciamento da frota, como o fluxo de passageiros em diferentes horários. O sistema rastreia os ônibus e informa imediatamente qualquer desvio de rota. "Os ônibus terão câmeras, que poderão identificar criminosos, criando uma "lista negra"."

Com o projeto, a Softwell passa a competir no segmento do qual saiu o vencedor global do SmartCamp no ano passado. A empresa StreetLine usa sensores para informar motoristas, pelo celular, sobre as vagas de estacionamento em determinadas regiões. "Boa parte do trânsito hoje é causada por pessoas tentando estacionar", diz Riegel, da IBM. Segundo ele, a empresa se prepara para fazer um projeto piloto da StreetLine em São Paulo.

Oportunidade

WELLINGTON FREIRE

PRESIDENTE DA SOFTWELL

"Atraímos a atenção do Banco Mundial em uma apresentação de dez minutos."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.