Fábio Rocha / Globo / Divulgação
Fábio Rocha / Globo / Divulgação

Gil, do BBB, quer ser presidente do BC e autarquia responde: ‘Ficaremos alegres com seu vigor’

Participante foi um dos destaques do reality que terminou nesta semana; em alguns momentos do programa, ele chegou a tratar de economia, explicando conceitos como o da inflação

Fabrício de Castro, O Estado de S.Paulo

07 de maio de 2021 | 18h20

BRASÍLIA - O economista Gilberto Nogueira, que ficou mais conhecido nacionalmente como “Gil”, participante do reality show Big Brother Brasil, da Rede Globo – afirmou hoje, em entrevista para a #RedeBBB, que seu maior sonho após concluir o doutorado nos Estados Unidos é ser presidente do Banco Central. Em resposta ao participante do BBB, que possui 1,4 milhão de seguidores apenas no Twitter, o Banco Central afirmou no fim da tarde que “ficaremos alegres em contar com o seu vigor em nossa equipe”.

Gil foi um dos destaques do reality que terminou nesta semana, após meses de confinamento. Em alguns momentos, ele chegou a tratar de economia e a explicar conceitos a outros participantes, como o de inflação.

Hoje, ele disse que sonha em ocupar o cargo que pertence atualmente ao economista Roberto Campos Neto, que fez carreira no mercado financeiro e é neto de um dos maiores nomes do liberalismo no Brasil, o economista Roberto Campos.

“Ser presidente do Banco Central. Seria extraordinário”, afirmou Gil, ao ser questionado sobre seu maior sonho após o doutorado. “A emissão de moeda, o estudo do mercado financeiro. A moeda influencia vários fatores, como desemprego e inflação. Eu sou apaixonado, não é minha área de pesquisa hoje, mas eu tenho muito prazer de estudar e falar.”

Gil afirmou ainda que “nunca foi um objetivo de vida” comandar o BC. “Mas hoje em dia eu penso que trabalhar e presidir o Banco Central seria um sonho, que nunca foi palpável. Tem muitos economistas grandiosos no Brasil, é um trabalho de alta responsabilidade.”

As declarações de Gil geraram milhares de manifestações de apoio nas redes sociais ao longo desta sexta-feira. À tarde, o BC se pronunciou por meio do Twitter. “Ficamos felizes em saber do seu sonho de fazer parte do BC! Ficaremos alegres em contar com o seu vigor em nossa equipe. Seguimos juntos falando de economia aqui do lado de fora?”

O cargo de presidente do Banco Central é de indicação do presidente da República. Campos Neto foi indicado pelo presidente Jair Bolsonaro no início de seu governo, em 2019, e teve seu nome aprovado pelo Senado Federal.

Além do presidente da autarquia, o presidente da República é o responsável pela indicação dos oito diretores do BC. Estes nove dirigentes são os responsáveis pela política monetária no Brasil. Entre outras funções, são eles que determinam o nível da Selic (a taxa básica de juros), ferramenta utilizada para o controle da inflação no País.

Sem contar as indicações presidenciais para os cargos de direção, é possível se tornar servidor do BC por meio de concurso público.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.