Glencore sofre pressão para melhorar oferta por Xstrata

A trader de commodities Glencore vai precisar aumentar a oferta de 26 bilhões de dólares pela mineradora Xstrata para não correr o risco de perder o negócio que perseguiu por anos, após o Catar, acionista importante, passou a exigir melhores termos.

REUTERS

27 de junho de 2012 | 08h08

O Catar, em silêncio durante meses enquanto construía a segunda maior participação na Xstrata, disse em comunicado inesperado na terça-feira que aceitaria o princípio do negócio mas queria 3,25 novas ações da Glencore por cada papel da Xstrata, ante 2,8 ações oferecidas.

A exigência de última hora vai tornar difícil que Glencore e Xstrata levem a fusão adiante nos termos atuais, disseram várias fontes familiarizadas com a transação; a Glencore tem apenas dois dias para melhorar a oferta ou adiar as assembleias de acionistas marcadas para meados de julho.

"A intervenção do Catar era inesperada, mas é muito bem-vinda e certamente vai acelerar a solução das atuais divergências", disse Simon Wong, sócio da auditora de governança corporativa e consultora de acionistas Governance for Owners.

No primeiro sinal de vida, a Glencore afirmou em breve comunicado nesta quarta-feira que o conselho da Xstrata propôs alterar certos aspectos dos arranjos de incentivos.

(Por Kate Holton e Sinead Cruise)

Tudo o que sabemos sobre:
COMMODSGLENCOREXSTRATA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.