Globopar adia pagamento de dívidas

A Globo Comunicações e Participações S.A. (Globopar), empresa da família Marinho que detém participações acionárias em empresas da área editorial e gráfica, empresas de televisão a cabo e via satélite, programação para TV por assinatura e internet, anunciou ontem a reestruturação de suas dívidas com os credores. A empresa justificou a decisão, que implicará o reescanolamento dos pagamentos - na verdade, adiamento - afirmando que "irá reavaliar a sua estrutura de capital devido à significativa desvalorização do real e da deterioração das condições econômicas no Brasil"."Apesar dos esforços da empresa e de seus acionistas para gerenciar a dívida da Globopar, por meio de significativos aportes de capital, a deterioração do ambiente macroeconômico evidenciou a necessidade de reavaliar o cronograma de pagamento da dívida da Globopar", disse o presidente da empresa, Ronnie Moreira. E complementou: "Estamos trabalhando com nossos consultores externos para rever nossos planos de negócios e tomar medidas para reduzir custos e aumentar o fluxo de caixa líquido. Esses esforços servirão como base para as conversas que pretendemos ter com nossos credores."A Globopar contratou a Goldman Sachs & Co. e Houlihan Lokey Howard & Zukin Capital para assessorá-la no processo de reavaliação e para atrair investidores. Debevoise & Plimpton e Barbosa, Müssnich e Aragão dão assessoria jurídica e o Unibanco a financeira.O negócio e as operações da TV Globo, que é controlada diretamente pela família Marinho, independentemente da Globopar, segundo a nota oficial, "continuam sólidos e não deverão ser afetados de forma negativa pelo processo de reavaliação da Globopar". Parte da dívida tem a TV Globo como garantia.O presidente da TV Globo, Roberto Irineu Marinho, fez questão de afirmar que "a performance da TV Globo continua sólida, apesar das difíceis condições econômicas atuais". A programação da TV Globo, disse Marinho, "continua a alcançar os maiores índices de audiência em todas as categorias. A TV Globo continua revendo suas operações, visando a identificar oportunidades para melhorar sua geração de caixa, mantendo sua posição de líder."A Globopar, por sua vez, espera dar novas informações sobre o processo de reestruturação das dívidas nos próximos 90 dias. A Globopar, segundo o comunicado oficial, já começou a conversar com credores. Membros da família Marinho investiram US$ 170 milhões na empresa e em suas controladas nos últimos seis meses. "Apesar do forte apoio financeiro de seus acionistas, a contínua desvalorização do real onerou a dívida em dólares da empresa". Além disso, os prazos de retorno dos investimentos em TV por assinatura se mostraram mais longos que o esperado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.