GM chega a pré-acordo com UAW sobre fundo para aposentados

Acordo é elemento chave do plano de reestruturação da montadora norte-americana, que está sob observação

Danielle Chaves, da Agência Estado,

21 de maio de 2009 | 14h12

A General Motors e o sindicato United Auto Workers (UAW) chegaram a um acordo prévio para reduzir a dívida de US$ 20 bilhões da montadora com o fundo para plano de saúde dos aposentados, segundo anunciou o sindicato. O acordo é um elemento chave nos planos de reestruturação da GM, que está sob observação do governo dos Estados Unidos.

 

Veja também:

linkVeja detalhes do pedido de concordata da Chrysler

linkAcompanhe a trajetória da Chrysler até o pedido de concordata

linkConheça o perfil da montadora norte-americana

especialAs medidas do Brasil contra a crise

especialAs medidas do emprego

especialDe olho nos sintomas da crise econômica 

especialDicionário da crise 

especialLições de 29

especialComo o mundo reage à crise 

 

A GM tem procurado fechar um acordo no qual pagaria metade, ou cerca de US$ 10 bilhões, de suas obrigações em dinheiro e daria ao sindicato 39% de participação na companhia. O acordo ainda precisa ser aprovado pelos 60 mil trabalhadores da GM representados pelo UAW, muitos dos quais enfrentam o risco de demissões.

 

Em 2007, o sindicato e a montadora fecharam um acordo referencial no qual o UAW concordou em receber US$ 35 bilhões em obrigações com planos de saúde de aposentados na forma de um fundo fiduciário chamado Voluntary Employees' Beneficiary Association (Veba). Para a GM, o fundo acabou com a crescente exposição da companhia ao aumento dos custos com plano de saúde ao limitar suas obrigações futuras.

 

A GM já forneceu cerca de US$ 15 bilhões para o fundo, mas ainda deve US$ 20 bilhões segundo aquele acordo. Junto com o novo acordo, o contrato trabalhista modificado que vem sendo elaborado pela GM inclui concessões do sindicato destinadas a cortar os custos das horas trabalhadas e colocá-los mais em linha com as operações de montadoras internacionais nos EUA.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.