finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

GM confirma plano de 10 mil demissões na divisão europeia

Montadora desistiu da venda da Opel para a canadense Magna; trabalhadores organizam protestos nesta 5ª

BBC Brasil, BBC

05 de novembro de 2009 | 03h00

O vice-presidente da montadora americana General Motors (GM), John Smith, confirmou que planeja cortar dez mil postos de trabalho nas subsidiárias europeias Opel e Vauxhall. O anúncio, feito na quarta-feira, acontece um dia depois de a GM ter declarado que cancelou a venda das duas subsidiárias para a fabricante de autopeças canadense Magna.

 

Veja também:

linkGM diz que teria um 'grande buraco estratégico' sem Opel

linkDecisão da GM tem conotação política, acusa governo russo

linkOpel convoca greves na Europa contra a decisão da GM

O governo da Alemanha -sede da subsidiária - que havia apoiado a venda da Opel ordenou que a GM devolva o empréstimo de 1,5 bilhões de euros que havia feito para garantir a venda. O governo alemão apoiava a venda para a Magna, que havia prometido manter funcionando todas as fábricas no país. A Opel emprega 54,5 mil pessoas em toda a Europa - 25 mil delas apenas na Alemanha.

Líderes sindicalistas alemães receiam que, com o anúncio, duas das quatro fábricas da Opel no país fechem suas portas. Por essa razão, os trabalhadores começarão uma série de protestos contra a decisão da GM já nesta quinta-feira.

Smith não indicou que país seria mais afetado pelos cortes, mas disse que a GM pretende apresentar os detalhes "em breve".

Grã-Bretanha

Apesar do descontentamento provocado pela decisão da montadora na Alemanha, na Grã-Bretanha, onde a GM opera com o nome de Vauxhall, o anúncio foi recebido com otimismo. Tony Woodley, secretário-geral da Unite, o principal sindicato na Vauxhall, disse que se tratava de "uma decisão fantástica", apesar de reconhecer que a perda de empregos britânicos será "inevitável".

Desde que a GM pediu concordata nos Estados Unidos, em junho, a Opel vinha sendo controlada por um grupo que inclui representantes da própria GM, do governo federal alemão e dos Estados alemães onde há fábricas da subsidiária. Por sua vez, a Vauxhall tem 5,5 mil funcionários na Grã-Bretanha. A matriz americana hoje tem 61% de suas ações pertencentes ao governo dos Estados Unidos.

 

BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.