GM dá férias coletivas em São José dos Campos

Medida atinge 600 trabalhadores; é o quinto anúncio da medida pela empresa nos últimos meses

Paulo Justus, O Estadao de S.Paulo

09 de janeiro de 2009 | 00h00

A General Motors (GM) concedeu férias parciais para 600 metalúrgicos de São José dos Campos ontem. Segundo a montadora, a medida atinge 400 trabalhadores da linha de montagem dos veículos S-10 e Blazer e outros 200 na divisão de transmissões e motores Powertrain II, que ficarão parados durante 29 dias, de 26 de janeiro a 23 de fevereiro. De acordo com o Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos (Sindimetal SJC), as duas linhas empregam ao todo 1,1 mil trabalhadores.Os funcionários da Powertrain II estão de férias coletivas desde o dia 15 de dezembro e voltariam ao trabalho no dia 25 de janeiro. Em novembro, 600 trabalhadores da Powertrain I e II ficaram parados. Os trabalhadores da linha da S-10 estiveram em férias coletivas de 1º a 23 de dezembro e receberam uma semana de licença remunerada, no início dessa semana. De acordo com o Sindimetal, a GM ainda não cogita demissões na base do sindicato, que representa 8.940 metalúrgicos. "Por enquanto eles estão trabalhando com os contratos temporários", diz o diretor sindical Vivaldo Moreira Araújo. Segundo ele, a GM deixou de renovar o contrato de 54 trabalhadores temporários ontem. Os metalúrgicos foram contratados há um ano, para reforçar a linha Powertrain II. Consultada, a montadora não confirmou as informações.A empresa justificou a parada parcial como uma medida de "ajuste de produção para adequar os estoques". Araújo diz que a GM já havia baixado a programação das fábricas para este ano , antes mesmo de anunciar essas novas férias. "A linha da S-10 e Blazer, que produzia 250 carros por dia, passou a produzir 150, enquanto a linha do Corsa, que fabricava 700 veículos por dia passou a fabricar 500", diz. Esse é o quinto anúncio de férias coletivas da General Motors depois que a crise internacional se agravou, em setembro do ano passado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.