GM deve enxugar unidade em São José dos Campos

Companhia iniciou um plano de demissão voluntária na unidade na semana passada e reduziu de dois para um turno a linha de montagem dos modelos nessa unidade

Gustavo Porto, da Agência Estado,

25 de junho de 2012 | 16h57

O vice-presidente de manufatura da General Motors (GM) América do Sul, José Eugênio Pinheiro, afirmou nesta segunda-feira, 25, que a "tendência natural é de enxugamento" no quadro de funcionários da unidade do complexo industrial de São José do Campos (SP), onde são produzidos modelos fadados a saírem de linha, como o Classic, o Corsa e as minivans Zafira e Meriva. A companhia iniciou um plano de demissão voluntária na unidade na semana passada e reduziu de dois para um turno a linha de montagem dos modelos nessa unidade.

Segundo Pinheiro, a companhia até tentou negociar um aporte maior para a unidade de São José dos Campos dentro dos R$ 5 bilhões previstos para serem investidos até 2013 nas unidades brasileiras, mas não houve acordo com o sindicato. "Por outro lado, na unidade de produção da picape Nova S10, no mesmo complexo, estamos trabalhando em três turnos", disse o executivo. Além de veículos, a unidade de São José dos Campos fabrica motores, transmissão e produtos de estamparia.

Pinheiro revelou que, sem muito alarde, a GM já começou  a produção de cabeçotes na nova unidade de motores de Joinville (SC), na qual foram investidos R$ 210 milhões. No próximo ano, 130 mil motores serão fabricados na unidade catarinense.

Outro investimento na Região Sul é a ampliação em 50%, de 240 mil para 360 mil unidades, da capacidade de produção anual da unidade de Gravataí (RS). Na unidade gaúcha, a GM já produz os primeiros veículos de teste da chamada família Onix, que deve substituir o Celta.

Além da minivan Spin, que será produzida em São Caetano do Sul (SP) e substituirá Zafira e Meriva, a GM lançará mais dois modelos até o final do ano e outro no início de 2013, segundo o executivo.

Tudo o que sabemos sobre:
GMenxugamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.