Coluna

Fabrizio Gueratto: como o investidor pode recuperar suas perdas no IRB Brasil

GM diz que não precisa de US$ 2 bi em ajuda federal imediata

Montadora que pode protelar recebimento de ajuda após ter aumentado ritmo previsto de redução de custos

REUTERS

12 de março de 2009 | 14h53

A General Motors informou a autoridades do governo dos Estados Unidos que pode manter suas operações em março sem a ajuda de 2 bilhões de dólares adicionais requerida inicialmente, divulgou a montadora nesta quinta-feira, 12.  Veja também:De olho nos sintomas da crise econômica  Dicionário da crise Lições de 29Como o mundo reage à crise Em comunicado, a GM informou que tem condições de protelar o recebimento da primeira parte de seu pedido de ajuda, após ter aumentado o ritmo previsto de redução de custos e cortado alguns gastos que eram planejados para janeiro e fevereiro. As ações da GM subiam 9% para 2,03 dólares, após o anúncio. A montadora vem mantendo as operações desde o início do ano com 13,4 bilhões de dólares em empréstimos do Tesouro norte-americano e pediu para o governo fornecer até 30 bilhões de dólares para financiar sua reestruturação. Uma força-tarefa organizada pelo secretário do Tesouro, Timothy Geithner, e o conselheiro econômico da Casa Branca, Larry Summers, está considerando o pedido de ajuda da GM e um outro pedido de até 9 bilhões de dólares em ajuda para a Chrysler. A força-tarefa tem como prazo o fim de março para deliberar. (Reportagem de Kevin Krolicki)

Tudo o que sabemos sobre:
CRISEEUAGM*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.