GM e Chrysler negociam fusão, diz New York Times

Cerberus, dona da Chrysler, estaria conversando também com outras montadores, incluindo Nissan e Renault

Redação,

10 de outubro de 2008 | 23h27

Segundo o jornal New York Times, duas das maiores montadoras de automóveis do mundo, a Chrysler e a General Motors,  estão conversando há um mês sobre uma possível fusão. As informações são do jornal "New York Times". Nem GM nem Cerberus comentaram as negociações.  Uma fusão entre as duas seria um evento histórico, com dois dos maiores ícones da indústria se unindo para sobreviver em um cenário de crescente dificuldade. As duas tem suas raízes décadas atrás em Detroit e, junto com a Ford, dominaram durante muito tempo a indústria de automóveis - até que os japoneses e outros estrangeiros entrassem no mercado americano. Tanto GM como Chrysler estão tendo dificuldades com produtos que não estão em sincronia com consumidores que demandam carros menores e mais econômicos.   De acordo com pessoas próximas à negociação, a Cerberus também mantém conversações com outras montadores, incluindo Nissan e Renault. Não se sabe em que estágio estão essas conversas.   Se a GM,  a maior montadora dos EUA,  e a Chrysler, a menor das três grandes de Detroit (a Ford é a outra), elas criarão uma gigante que irá superar a japonesa Toyota, que compete com a GM para ser a maior do mundo.   A Cerberus adquiriu 80% das ações da Chrysler da montadora alemã Daimler AG em Agosto de 2007  por US$ 7,4 bilhões. Pelo negócio que está sendo discutido, a Cerberus ainda ficaria com uma parcela não especificada na GM-Chrysler, disseram as fontes próximas ao negócio.   GM e Chrysler controlariam juntas mais de 35% do mercado de automóveis dos EUA, e seriam os principais fabricantes de caminhões, utilitários e minivans.   Também há riscos no negócio. A GM perdeu US$ 15,5 bilhões no segundo trimestre, e está queimando dinheiro rapidamente  para pagar suas operação. Já a Chrysler teve um desempenho pior qualquer outra montadora neste ano nos mercado dos EUA.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.