carteira

As ações mais recomendadas para dezembro, segundo 10 corretoras

GM e Magna chegam a pré-acordo sobre Opel, dizem fontes

Segundo fonte, meta é acertar os detalhes que forem possíveis antes da reunião com Merkel nesta sexta

Reuters,

29 de maio de 2009 | 12h01

A General Motors e o grupo canadense de autopeças Magna International chegaram a um acordo inicial que pode resgatar a enfraquecida montadora alemã Opel, disseram fontes próximas das negociações nesta sexta-feira, 29.

 

Veja também:

linkVeja detalhes do pedido de concordata da Chrysler

linkAcompanhe a trajetória da Chrysler até o pedido de concordata

linkConheça o perfil da montadora norte-americana

especialAs medidas do Brasil contra a crise

especialAs medidas do emprego

especialDe olho nos sintomas da crise econômica 

especialDicionário da crise 

especialLições de 29

especialComo o mundo reage à crise 

 

Ambos os lados vinham tentando acertar um acordo sobre um memorando de entendimento que pode servir de base para um empréstimo-ponte de 1,5 bilhão de euros (US$ 2,10 bilhões) assim como uma solução para proteger a Opel de credores, caso a GM entre com pedido de recuperação judicial nos Estados Unidos.

 

"Um esboço de acordo foi alcançado. A meta é acertar os detalhes que forem possíveis antes da reunião com a (chanceler alemã Angela) Merkel para assinar o memorando de entendimento hoje", disse uma fonte com conhecimento das conversações à Reuters.

 

Fiat

 

A italiana Fiat afirmou nesta sexta que ainda está interessada em comprar a Opel, mas que "não pode oferecer mais" pela aquisição. A Fiat não comparecerá a uma reunião do governo alemão nesta sexta-feira, em Berlim, para discutir financiamento emergencial para Opel, unidade europeia da General Motors, acrescentou a empresa em um comunicado.

 

A montadora italiana afirmou que não conseguiu acesso total aos registros financeiros da Opel e que formulou uma proposta de fusão que seria justa tanto para GM como para si mesma. "Nós continuamos compromissados em encontrar modos de atender às expectativas tanto da General Motors como do governo alemão, mas a natureza emergencial da situação não pode colocar a Fiat em posição de tomar riscos excessivos", disse o presidente-executivo da Fiat, Sergio Marchionne, em um comunicado. "...Não se pode pedir mais."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.