GM fecha acordo com revendas

95% das concessionárias aceitaram seguir com o grupo reestruturado

REUTERS, O Estadao de S.Paulo

13 de junho de 2009 | 00h00

Mais de 95% das concessionárias da General Motors nos Estados Unidos concordaram, por escrito ou verbalmente, em participar da montadora reestruturada, disse ontem o presidente executivo da empresa, Fritz Henderson.A GM deu às concessionárias norte-americanas um prazo ate ontem para decidirem se continuariam vendendo veículos para a companhia sob novos termos, com o objetivo de fazer fluir a distribuição e a rede de vendas, além de aumentar a participação de mercado."A consolidação de nossas concessionárias não é apenas para economizar dinheiro, mas para gerar oportunidade e crescimento de receita", disse Henderson a um subcomitê da Câmara dos Deputados dos EUA.Segundo ele, a GM recebeu notificações de 856 concessionárias que estão para fechar as portas e reverteu decisões de fechamento de 35 pontos de venda.O presidente do Chrysler Group, Jim Press, disse ao mesmo painel da Câmara dos Deputados que a Chrysler vendeu ou redistribuiu 99% dos estoques de 789 concessionárias que está fechando como parte do processo de concordata. A Chrysler pretende ter 2,3 mil concessionárias nos Estados Unidos, sob sua aliança com a italiana Fiat, que foi concluída no início desta semana. Pelo acordo, a Fiat passa a deter 20% da Chrysler - fatia que pode chegar a 35% - e terá o comando da empresa. A GM, que também está em processo de recuperação judicial, tem planos de fechar 1,28 mil concessionárias nos Estados Unidos até outubro de 2010, ficando com entre 3,5 mil e 3,8 mil lojas e participação de mercado de cerca de 17%, assumindo vendas anuais de toda a indústria no país de 10 milhões de veículos."Mesmo com os cortes, a General Motors terá a maior rede de concessionárias dos Estados Unidos", disse Hendersen.Para efeito de comparação, a Ford Motor opera 3,3 mil concessionárias, e a japonesa Toyota Motor, maior montadora do mundo, possui 1,2 mil lojas nos Estados Unidos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.