GM pára por duas horas em São José

No mesmo dia em que 800 funcionários retornaram das férias coletivas de 15 dias a produção da General Motors de São José dos Campos foi paralisada por duas horas. O protesto, que atingiu o setor de montagem de veículos automotor (MVA) e cerca de dois mil trabalhadores, faz parte das atividades da Campanha Salarial Unificada. Em assembléia, os metalúrgicos aprovaram estado de greve e novas paralisações para a próxima semana. O presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo, Eleno José Bezerra, participou da assembléia, como representante da Força Sindical. Segundo o presidente do Sindicato de São José dos Campos, Luiz Carlos Prates, os protestos são para a mobilização e a organização dos trabalhadores. "Estamos buscando negociar, mas ao invés de atenderem nossas reivindicações, os empresários estão querendo retirar direitos, inclusive a cláusula que garante estabilidade à vítima de acidente de trabalho". Prates afirmou que a categoria não vai aceitar chantagem e está disposta a lutar. A GM produz 34 corsas por hora e possui cerca de 8.500 funcionários.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.