Divulgação
Divulgação

GM paralisa produção de veículos em Gravataí

Empresa também estuda extinguir o terceiro turno da fábrica no Rio Grande do Sul, de acordo com sindicato

IGOR GADELHA, O Estado de S. Paulo

12 Maio 2015 | 17h37

A General Motors (GM) paralisou nesta terça-feira, 12, por tempo indeterminado, os três turnos da linha de produção na fábrica de Gravataí (RS), onde produz os modelos Onix, Prisma e Celta. De acordo com a montadora, a paralisação foi "forçada" pela decisão das empresas Tegma e Transzero, que pararam de fazer o transporte dos veículos produzidos na unidade após divergências sobre o custo do frete. 

A interrupção ocorre no momento em que a GM estaria discutindo com os trabalhadores a possibilidade de encerrar o terceiro turno na fábrica em razão da queda nas vendas de veículos, segundo o Sindicato dos Metalúrgicos da região.

Em nota, a GM lamentou a decisão da Tegma e Transzero, classificando-a como uma "ação unilateral" que "vai forçar a parada da linha de produção". A montadora afirmou que está disposta a continuar as negociações sobre o custo do frete com as duas empresas e espera alcançar um acordo que "não comprometa a competitividade dos produtos Chevrolet no mercado brasileiro". Procurada, a Tegma informou, via assessoria de imprensa, que não vai se manifestar sobre o assunto. Já na Transzero uma gerente declarou que não estava sabendo da paralisação do transporte em Gravataí e iria apurar o ocorrido. 

O diretor do Sindicato dos Metalúrgicos de Gravataí, Valcir Ascari, disse que soube da paralisação da Tegma e da Transzero na manhã desta terça-feira e que a montadora comunicou aos trabalhadores que não haveria trabalho somente hoje. "Não falaram sobre os outros dias", disse. De acordo com o dirigente sindical, em todo o complexo industrial da GM em Gravataí há cerca de 10 mil funcionários - dos quais mil são terceirizados -, divididos em três turnos de trabalho.

Fim do terceiro turno. Ascari disse que a montadora comunicou ao sindicato que está disposta a fechar o terceiro turno em Gravataí (inaugurado no início de 2013), por causa dos altos estoques. Segundo ele, há cerca de 16 mil automóveis no pátio da fábrica e em dois espaços alugados na cidade. "Mandaram um ofício dizendo que a produção atual tem excesso de trabalhadores, mas não queremos demissões", afirmou. A GM declarou que não comenta o que chama de "especulações". 

No comunicado sobre a Tegma e Transzero, contudo, a montadora destacou que, "neste momento de dificuldades do mercado brasileiro", o objetivo é manter a unidade operando em três turnos. 

O complexo industrial de Gravataí era, até então, o único entre os três que a GM possui no Brasil onde não tinham sido anunciados ou cogitados cortes de produção. Em São Caetano do Sul (SP), a montadora tem 819 metalúrgicos em lay-off (suspensão temporária dos contratos) desde novembro de 2014 até 9 de julho. Na mesma unidade, a empresa concedeu licença remunerada a 467 empregados no dia 5, por tempo indeterminado. Já em São José dos Campos (SP), 325 metalúrgicos entraram em lay-off da última sexta-feira até 7 de agosto. Eles se juntaram aos 473 metalúrgicos que já estavam afastados desde março, também até agosto. 

Mais conteúdo sobre:
GMparalisaçãosetor automotivo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.