Stan Honda/AFP
Stan Honda/AFP

coluna

Fernanda Camargo: O insustentável custo de investir desconhecendo fatores ambientais

GM quer dispensar trabalhadores por quatro meses e reduzir salários entre 10% e 25%

Empresa diz que medida é para preservar empregos; as cinco fábricas da General Motors no País serão afetadas

Cleide Silva, O Estado de S.Paulo

30 de março de 2020 | 16h24

A General Motors quer suspender por até quatro meses os contratos de trabalho dos funcionários das cinco fábricas no País como forma de combate à epidemia do novo coronavírus, se o número de casos continuar crescendo no País. No período de lay-off, como é chamado, os salários seriam reduzidos de 10% a  25%. A suspensão está prevista a partir de 14 de abril, quando os funcionários voltariam de férias coletivas iniciadas entre a semana passada e esta semana. 

A empresa alega que a medida é emergencial e temporária, “tendo como objetivo a preservação dos empregos”. Ao todo, o grupo emprega cerca de 18 mil funcionários no País. No lay-off, parte dos salários (R$ 1.813) é bancada pelo Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT). 

Sindicatos de trabalhadores das fábricas de São Caetano do Sul, São José dos Campos e Mogi das Cruzes, em São Paulo, e de Gravataí (RS) e Joinville (SC) realizam assembleias para votar se aceitam ou não a proposta. No caso da unidade de São Caetano, responsável pela produção do recém lançado utilitário-esportivo Tracker, a votação está sendo feita online desde sexta-feira entre os cerca de 7,8 mil funcionários, incluindo administrativos. 

Segundo o presidente da entidade, Aparecido Inácio da Silva, a votação está chegando ao fim e a aceitação da proposta é “majoritária”, diz ele. Ele explica ainda que há uma escala de redução do valor a ser pago pela empresa de acordo com a faixa salarial do funcionário e que o maior corte, de 25%, será aplicado para quem ganha acima de R$ 20 mil. A maior parte dos trabalhadores da fábrica teriam os salários reduzidos entre 10% e 15%. 

Na unidade de São José dos Campos, que produz a picape S10 e o SUV Trailblazer, o sindicato dos metalúrgicos local posicionou-se contra a proposta e fará nova reunião com a empresa na quarta-feira. “A General Motors não precisa reduzir salários. É a primeira em produção de automóveis no País. Os trabalhadores têm o direito de permanecer em casa e receber o salário na íntegra”, afirma o vice-presidente do sindicato, Renato Almeida. 

Em nota, a GM informa que vem tomando medidas que visam proteger a saúde dos trabalhadores em meio à pandemia de covid-19, ao mesmo tempo em que busca alternativas para garantir o futuro do negócio. “Neste sentido, foram implementadas medidas como banco de horas, férias coletivas, planos de redução de custos e, inclusive, adiamento de investimentos”.  

Ajuda social

O Instituto General Motors, braço social da GM, também divulgou hoje que está realizando a doação de 5,5 mil cestas de alimentos, higiene e limpeza; 3 mil óculos de segurança para profissionais de saúde e vai emprestar 105 carros em comodato para as autoridades nos locais onde tem fábricas. 

“Neste momento difícil que estamos passando, as relações de parceria e a solidariedade precisam se intensificar ainda mais. Nossos empregados têm no seu DNA a vocação para o voluntariado e estamos em contato contínuo com as autoridades, apoiando as necessidades em diversas frentes”, afirma Marcos Munhoz, presidente do Instituto GM.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.