GM: Saab tem novas ofertas e Spyker volta a negociar

A General Motors (GM) informou hoje que recebeu novas propostas por sua marca sueca Saab, que está sendo desativada. Enquanto isso, a fabricante de carros esportivos holandesa Spyker Cars fez uma nova proposta, na tentativa de retomar as negociações que fracassaram na sexta-feira. A GM havia dito na sexta-feira que algumas questões impediam a venda da Saab para a Spyker, e que as operações da montadora sueca seriam desativadas.Hoje, no entanto, a GM informou que estava analisando várias novas propostas.

AE, Agencia Estado

20 de dezembro de 2009 | 17h33

Apesar disso, o processo de desativação da Saab não será interrompido, afirmou o vice-presidente da GM, John Smith, por e-mail. "Se isso resultar em algo concreto, pensaremos a respeito, mas por enquanto estamos preparando a desativação", disse. A General Motors não revelou quem são os outros interessados na Saab e informou que só irá se pronunciar depois de avaliar todas as propostas.

Segundo a Spyker, sua nova oferta traz 11 pontos que abordam cada uma das questões que causaram o fracasso das negociações com a GM. "Fizemos o possível para resolver as questões que estavam impedindo a conclusão deste assunto, e pedimos à GM e a todas as outras partes envolvidas que pensassem seriamente sobre esta oferta", disse o CEO da Spyker, Victor Muller.

De acordo com a Spyker, esta nova oferta tem o total apoio da administração da Saab e elimina a necessidade de um empréstimo do Banco Europeu de Investimento (EIB, na sigla em inglês). A oferta é válida até as 20h (horário de Brasília) de amanhã.

Muller disse que um empréstimo de 400 milhões de euros do EIB era um dos obstáculos às negociações, já que o banco não conseguiria autorizar o empréstimo até 31 de dezembro, prazo estipulado pela GM para encontrar uma solução para a Saab. O executivo, porém, não informou como a Spyker financiaria a possível aquisição. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
GMSaabofertasSpyker Cars

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.