GM se aproxima de acordo com sindicato para cortar custos

Montadora quer cortar pela metade despesas com custos de saúde, para US$ 10 bi, afirma 'Wall Street Journal'

Marcílio Souza, da Agência Estado,

15 de maio de 2009 | 12h09

A General Motors está perto de um acordo para reduzir os custos com mão-de-obra em mais de US$ 1 bilhão por ano e cortar parte de seu compromisso com o sindicato United Auto Workers (UAW) de cobrir em US$ 20 bilhões as obrigações com seguro-saúde, disseram pessoas próximas do assunto. O plano ainda está em discussão, e o sindicato poderá finalizar os termos já na próxima semana, informou o Wall Street Journal.

 

Veja também:

especialAs medidas do Brasil contra a crise

especialAs medidas do emprego

especialDe olho nos sintomas da crise econômica 

especialDicionário da crise 

especialLições de 29

especialComo o mundo reage à crise

 

A GM espera reduzir à metade sua contribuição em dinheiro para os custos de saúde, para US$ 10 bilhões, e complementar com uma fatia de 39% no grupo reorganizado, disseram fontes próximas do assunto. A montadora recusou-se a comentar o assunto e o porta-voz do UAW, cujos membros precisam aprovar o acordo, não foi encontrado.

 

A montadora norte-americana também disse que vai notificar nesta sexta-feira 1,1 mil concessionárias de que os acordos de franquia delas com a fabricante de veículos não serão renovados, segundo fontes próximas do assunto. As concessionárias afetadas pela decisão serão informadas por telefone ou carta.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.