GM vai cortar 4 mil vagas administrativas até outubro

A montadora, que pediu concordata no início deste mês, planeja eliminar mais de 6 mil empregos até fim do ano

Danielle Chaves, da Agência Estado,

23 de junho de 2009 | 17h37

A General Motors vai cortar 4 mil vagas administrativas até o dia 1º de outubro, como parte de um acelerado plano para reduzir sua força de trabalho. A montadora, que pediu concordata no início deste mês, planeja eliminar mais de 6 mil empregos até o fim deste ano, um corte maior do que o de 3,4 mil trabalhadores anunciado anteriormente.

 

Veja também:

especialAs medidas do Brasil contra a crise

especialAs medidas do emprego

especialDe olho nos sintomas da crise econômica 

especialDicionário da crise 

especialLições de 29

especialComo o mundo reage à crise 

 

Os cortes serão feitos por meio de uma combinação de demissões e aposentadoria incentivada, segundo o porta-voz da GM, Tom Wilkinson. Os empregados da montadora receberam cartas hoje para notificá-los sobre as opções que têm para deixar a empresa.

 

A GM vem reduzindo seu tamanho há anos, mas o ritmo do fechamento de fábricas, do corte de vagas e de outras medidas se acelerou dramaticamente no início deste ano, depois que o governo dos EUA rejeitou o plano de reestruturação da companhia. O executivo-chefe da GM, Fritz Henderson, alertou que mais empregos precisarão ser eliminados.

 

Em fevereiro, a montadora afirmou que iria cortar 10 mil de seus 73 mil empregos assalariados em todo o mundo, em áreas que incluem marketing, engenharia e design. A GM também está reduzindo o quadro de executivos em 34%. Quando a reestruturação tiver terminado, a GM terá 23,5 mil trabalhadores nos EUA, apenas metade do que tinha em 2000. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
GMVeículosCarros

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.