Stan Honda/AFP
Stan Honda/AFP

GM investirá R$ 6,5 bi para desenvolver seis modelos no Brasil

Montadora vai trabalhar com empresa chinesa para revisar processo de criação de modelos voltados para mercados emergentes; com novo aporte, investimento no País soma R$ 13 bi até 2018

Igor Gadelha, O Estado de S. Paulo

28 de julho de 2015 | 14h30

Atualizado às 16h04

A General Motors (GM) vai investir R$ 6,5 bilhões no Brasil nos próximos anos para desenvolver uma linha com seis modelos de veículos Chevrolet no País. O aporte faz parte do investimento global de US$ 5 bilhões (cerca de R$ 16 bilhões) da montadora, em parceria com a estatal chinesa Shanghai Automotive Industry Corpo (SAIC), para desenvolvimento de carros globais destinados a quatro mercados emergentes: Índia, China, México e Brasil. Com o novo aporte, os investimentos da GM no Brasil até 2018 dobraram, alcançando R$ 13 bilhões. 

Sem dar muitos detalhes dos produtos, o presidente da GM América do Sul, Jaime Ardila, afirmou que os R$ 6,5 bilhões serão investidos no desenvolvimento de produtos, novas tecnologias, eficiência energética, suporte e testes. O valor virá dos cofres da filial da GM no Brasil. Os novos veículos só começarão a ser produzidos em 2019. 

De acordo com o executivo, entre os seis modelos, haverá unidades que já eram fabricadas e serão relançadas e novos veículos que serão lançados. Todos os modelos terão a mesma plataforma tecnológica. "Com esse investimento, o Brasil se torna um dos mercados-chave para GM", destacou. Em entrevista ao Estado no sábado, 25, Ardila considerou a retração no consumo da classe C e afirmou que mesmo as classes A e B têm optado por modelos mais populares.

Ardila ressaltou que, a despeito dos desafios da economia brasileira, a GM está no Brasil há 90 anos e continuará por um longo período. Para ele, o Brasil é um mercado-chave para a montadora em todo o mundo.

"O potencial da economia, as instituições fortalecidas e o mercado consumidor promissor são coisas que continuam sendo verdades no Brasil", afirmou o executivo, que teve a aposentadoria anunciada. Ardila deve se afastar da GM até o fim do ano. No lugar dele, assumirá o ex-presidente da Ford América do Sul Barry Engle. 

De acordo com a General Motors, a nova família de veículos está sendo desenvolvida por um time multinacional de engenheiros e designers. A montadora ressaltou que os novos modelos serão destinados apenas a mercados emergentes, não havendo planos de exportá-los para mercados considerados "maduros", como os Estados Unidos.

No Brasil, os modelos deverão ser produzidos em apenas duas das três fábricas de veículos da marca no País: em Gravataí, no Rio Grande do Sul, e em São Caetano, em São Paulo. A planta de São José dos Campos, no Vale do Paraíba paulista, não produzirá os modelos da nova linha. 

"Obviamente as condições políticas e econômicas estão mais difíceis, mas, no futuro, continuamos vendo forte potencial no Brasil", afirmou o presidente mundial da GM Company, Dan Ammann.

Ammann destacou que a nova linha de veículos vem atender às mudanças significativas nas expectativas dos consumidores de mercados emergentes que aconteceram nos últimos dois anos.

"Nós acreditamos que, na próxima década, vão acontecer muitas mudanças em mercados emergentes. E nós queremos ter certeza que faremos investimentos nessas regiões", disse. Segundo ele, a expectativa é de que sejam vendidos cerca de 2 milhões de unidades por ano desses novos modelos. 


Tudo o que sabemos sobre:
GMsetor automotivo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.