Goiás receberá R$ 1,2 bi até 2010 em fábrica da Hyundai

O Grupo CAOA/Hyundai, que poderá contar com as presenças dos presidentes das repúblicas do Brasil e da Coréia durante a inauguração, no mês de março, da linha de montagem de veículos em Anápolis(GO), já faz planos de expansão. Além dos R$ 400 milhões que estão sendo aplicados no término das construções o Grupo, maior distribuidor de veículos multimarcas do País projeta investir, até 2010, mais R$ 800 milhões e assim saltar de 10 mil para 130 mil unidades/ano a partir de cinco modelos de veículos."Nossos planos de crescimento são ousados e todos eles têm desdobramentos e profundos reflexos econômicos", afirmou Carlos Alberto de Oliveira Andrade, presidente do Grupo. "Acreditamos na qualidade e tecnologia dos produtos", disse. Ele relatou que as vendas da marca Hyundai cresceram 248% entre 2005 e o ano passado, e há expectativa de se triplicar as vendas este ano no Brasil."Nosso projeto ajudará a criar um sólido pólo industrial, trazendo empresas e criando riquezas de valor estratégico para o País", disse Oliveira Andrade. Na construção da fábrica de veículos, o empreendimento é do Grupo CAOA, a tecnologia da Hyundai e, do casamento das duas marcas, nasceu uma montadora de capital nacional."O que é muito positivo para o Brasil", acredita Akira Yoshikawa, diretor de Pessoas e de Organização do Grupo. Ele explicou que em três anos serão gerados 40 mil empregos, entre diretos e indiretos, e os postos de trabalho revelam a dimensão do empreendimento cuja instalação, com as obras de construção civil e de instalação de equipamentos deverão ser concluídos no dia 15 de fevereiro."Nesse dia é quando a equipe técnica da Coréia entrará em ação para funcionar a fábrica, e visando entregar as primeiras unidades", disse. O primeiro modelo de veículo é o caminhão Porter, de 1,8 tonelada, e produção anula de 10 mil unidades. Dois novos modelos "sport utility" serão distribuídos a partir de outubro deste ano, e outros dois modelos em 30 de janeiro do ano que vem.Veículos de cargaOs cinco modelos produzirão 130m mil veículos/anos até 2010. Mas, para que a produção alcance um número excepcional de 250 mil unidades/ano, a partir daí, serão necessários novos investimentos, além do R$ 1,2 bilhão a serem investidos nos três primeiros anos de operação da Unidade de Anápolis, disse Oliveira Andrade.Em outra frente de trabalho uma rede de distribuição, atualmente com 40 revendedores, será ampliada para 80 revendedores. Isto porque o Grupo pretende entrar no competitivo mercado externo. E a unidade de Anápolis será a base exportadora para a América Latina. "Nós vamos distribuir esses veículos, além da América Latina, para o Mercosul e o México, mercados onde a expectativa e as perspectivas são as melhores possíveis", disse Yoshikawa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.