Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE
Fábio Motta/Estadão
Fábio Motta/Estadão

Gol anuncia aquisição da MAP por R$ 28 milhões e pode ampliar operação em Congonhas

A companhia aérea MAP opera voos a partir dos aeroportos de Manaus e Congonhas, em São Paulo; negócio deve expandir a operação da Gol em meio à fase de recuperação do setor aéreo

Luciana Dyniewicz, O Estado de S.Paulo

08 de junho de 2021 | 22h11

Enquanto a Azul partiu para o ataque publicamente e tenta comprar a operação brasileira do grupo Latam, a Gol discretamente arrematou a MAP. Na noite desta terça-feira, 8, a Gol anunciou ter fechado um acordo de R$ 28 milhões para comprar a companhia aérea de transporte regional. 

Com o negócio, a Gol poderá ampliar em 10% sua oferta no aeroporto de Congonhas (São Paulo), cujos horários de pouso e decolagem são os mais disputados do País. Hoje, a MAP tem 26 voos diários saindo do terminal.

“Congonhas é estratégico e disputado. Estamos há anos nesse aeroporto, mas agora temos a possibilidade de oferecer destinos que não operávamos a partir de Congonhas”, disse ao Estadão o presidente da Gol, Paulo Kakinoff.

A companhia não assumirá a frota da MAP, composta por sete aviões ATR com 70 assentos. Essas aeronaves deverão ficar com a Voepass (antiga Passaredo), que comprou a MAP em 2019. A Gol tem parceria para vender passagens de voos da Voepass e deverá atender as rotas hoje operadas pela MAP através da Voepass.

De acordo com o contrato fechado, a Gol pagará R$ 25 milhões em dinheiro pela MAP em 24 parcelas, além de 100 mil ações (cada uma a R$ 28). A empresa também assumirá até R$ 100 milhões em dívidas da MAP.

Em nota divulgada a funcionários nesta terça-feira, a Voepass afirmou que a venda foi uma “negociação estratégica”, pois permitirá “uma redução do endividamento”. 

O acordo ocorre em meio à maior crise da história do setor aéreo. Desde o começo da pandemia da covid-19, as empresas viram o número de passageiros recuar 90%. Hoje, a oferta de voos no mercado doméstico equivale a 55% do que se tinha antes da pandemia. 

Em nota, Kakinoff afirmou que, para a companhia, a aquisição da MAP é a "única oportunidade viável de consolidação racional no mercado de aviação brasileiro" neste momento, sinalizando que não acredita na possibilidade de a Azul comprar a Latam Brasil.

A conclusão do negócio ainda depende de aprovação da Agência Nacional de Aviação Cicil (Anac) e do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.