Gol aumenta expectativa de crescimento para 2006

A Gol, segunda maior companhia do setor, com 28,77% de participação, vai contratar 1.650 funcionários este ano para as 15 aeronaves que integrarão sua frota, revela o vice-presidente de Marketing, Tarcísio Gargioni. A empresa recebeu na quarta-feira o seu 43º avião (um Boeing 737-700), mas o objetivo é ter 58 até o fim de 2006.Os planos da Gol eram outros em setembro do ano passado. Naquela época, a companhia planejava ter 54 aeronaves em 2006 e tinha 60 pedidos firmes de novas aeronaves com a americana Boeing, de um pacote total de 101 aviões. Seis meses depois, além de ter incluído mais quatro aparelhos para este ano, o número de entregas que serão feitas, de fato, pulou para 67. "No final de 2005, a gente não imaginava que o mercado ia crescer tanto", admite Gargioni, ao justificar a mudança de planos. Segundo o executivo, se dependesse da Gol, outro projeto, este internacional, sairá da gaveta no segundo semestre. É a empresa de custos e tarifas baixas que a companhia brasileira vai implementar no México, com um empresário local. "É difícil dizer quando o projeto sairá do papel. Não depende só da nossa vontade", acrescenta.O mercado doméstico, estima Gargioni, tem chances de crescer até 20% este ano, praticamente repetindo o resultado do ano passado, que ficou em 19,4%. Sobre o futuro da Gol no ranking do transporte doméstico de passageiros, o executivo prefere não polemizar. "Estar mais perto do primeiro lugar ou longe da terceira posição, para nós não faz diferença. Tudo vai depender do crescimento dos outros", afirma.Levantamento do Departamento de Aviação Civil (DAC), divulgado na quarta-feira, mostra que a TAM lidera o transporte doméstico de passageiros, com 44,45%. A Gol vem logo em seguida com 28,77% e a Varig teve 19,25% do setor, em fevereiro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.