Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Gol reverte prejuízo e lucra R$ 61 milhões no trimestre

Mas a companhia aérea viu sua receita líquida encolher 2,5%, para R$ 1,5 bilhão, no período

Alberto Komatsu, RIO, O Estadao de S.Paulo

15 de maio de 2009 | 00h00

A Gol registrou no primeiro trimestre lucro líquido de R$ 61,4 milhões, revertendo o prejuízo de R$ 20,5 milhões do mesmo período do ano passado. A receita líquida foi de R$ 1,5 bilhão, o que representou um recuo de 2,5% em relação aos três primeiros meses de 2008, quando o faturamento ficou em torno de R$ 1,6 bilhão. A racionalização dos custos da compra da Varig, na avaliação do presidente da Gol, Constantino de Oliveira Júnior, foi o principal fator para a reação da empresa, que em 2008 teve perdas de R$ 1,38 bilhão. "Nós estamos conseguindo extrair os benefícios da aquisição da Varig. Conseguimos racionalizar os custos e melhoramos a qualidade da receita", afirmou o executivo. A Gol comprou a Varig em março de 2007 por US$ 320 milhões. Apesar de a Gol ter diluído as perdas com a aquisição da Varig, Júnior afirma que essa negociação ainda pesa no caixa da companhia. Segundo ele, a manutenção de sete aeronaves da Boeing modelo 767, que eram da Varig e estão paradas, gera um custo mensal de US$ 3,4 milhões por equipamento. Um dos aviões foi devolvido em abril. O lucro operacional da Gol foi de R$ 105,1 milhões no primeiro trimestre, praticamente o dobro do ganho de R$ 49 milhões dos três primeiros meses de 2008. A margem de lucro operacional antes de juros e impostos (EBITDAR) foi de 23,7%. Foi o terceiro trimestre consecutivo de lucro operacional. "A nossa expectativa de participação de mercado é ficar entre 38% e 42% (em 2009). Estamos muito mais focados em manter uma rentabilidade que garanta os investimentos da companhia", disse Júnior. Segundo ele, o caixa da companhia foi reforçado com um aumento de capital de R$ 203,5 milhões na terça-feira.Apesar dos resultados operacionais positivos, a Gol teve recuo de 7,67 pontos porcentuais em sua participação de mercado na demanda por voos domésticos em abril, quando respondeu por 38,77% do fluxo de passageiros transportados. No mesmo mês de 2008 sua fatia era de 46,44%. A TAM permaneceu na liderança do mercado doméstico em abril, ao responder por 49,20% da demanda interna. O fluxo de passageiros transportados no mercado doméstico registrou crescimento de 2% no mês passado, em relação ao mesmo período do ano passado. A oferta de assentos, por sua vez, teve expansão de 6,7% e a taxa média de ocupação dos aviões ficou em 63%, diante dos 66% de abril de 2008. A demanda por voos ao exterior registrou crescimento de 3,5% em abril, com expansão de 0,1% na oferta de assentos, em relação ao mesmo período de 2008.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.