Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE
Daniel Uemura | DIV
Daniel Uemura | DIV

Goldman Sachs investe R$ 600 milhões na empresa de guarda-móveis Metrofit

Empresa, que hoje tem apenas duas unidades, pretende acelerar o ritmo de aberturas, com a meta de construir de 8 a 10 unidades ao ano

Fernando Scheller, O Estado de S.Paulo

23 de julho de 2016 | 05h00

O banco americano Goldman Sachs se comprometeu a investir R$ 600 milhões, num período de cinco a seis anos, na empresa de self storage (segmento conhecido no Brasil como “guarda-móveis”) Metrofit, que já tem a brasileira TRX e a americana Metro Self Storages como acionistas. O objetivo do investimento é acelerar a expansão da companhia, que hoje tem apenas três empreendimentos – dois em operação e um em construção.

Embora o setor de guarda-móveis tenha porte pequeno no País, vários investidores de renome já apostaram em seu potencial. A líder Guarde Aqui, com 15 projetos já prontos, recebeu aportes da Equity International, do investidor Sam Zell, e do fundo LaSalle. A Good Storage, que hoje contabiliza sete unidades (com a meta de dobrar esse total em 2017), tem capital do fundo brasileiro HSI e do americano Evergreen.

O investimento do banco americano, no entanto, é o maior já anunciado para o segmento, de acordo com fontes. A intenção da Metrofit é abrir entre 8 e 10 empreendimentos por ano, nos próximos cinco ou seis anos – chegando, ao fim do período, a um total de 50 a 60 unidades. Para atingir a meta, a rede não descarta fazer aquisições de concorrentes de pequeno porte.

A maior parte dos novos empreendimentos deverá ser de desenvolvimento próprio, segundo Luiz Augusto do Amaral, sócio-fundador da TRX, empresa mais conhecida pela locação de galpões logísticos e que hoje administra cerca de R$ 5,6 bilhões em ativos imobiliários.

Expansão na ‘baixa’. O executivo ressalta que a liberação dos valores do Goldman está atrelada à velocidade do desenvolvimento dos projetos. A expansão deve se concentrar principalmente em São Paulo e no Rio de Janeiro, mas a empresa também considera projetos em outras capitais, como Curitiba e Belo Horizonte.

Amaral afirmou ontem, ao explicar o investimento, que a ideia da Metrofit é usar o capital do Goldman Sachs para iniciar seu ciclo de investimento na época de “maré baixa” da economia. Assim, preços de terrenos e de contratação de serviços para construção tendem a sair mais em conta.

A ideia é já ter certa capacidade instalada para atender à esperada retomada da economia brasileira. “Este não é um investimento que visa a aproveitar ativos estressados. Ele representa a crença na retomada da economia”, disse.

Aposta no futuro. Apesar do forte investimento do Goldman Sachs e de outros investidores institucionais no setor, o presidente da Associação Brasileira de Self Storage (Asbrass), Flávio Del Soldato Júnior, disse que o mercado atual não oferece condições para que esses grandes investimentos de fundos deem retorno no curto prazo. “Acho que eles estão tentando fazer muita oferta para criar demanda”, diz o presidente de associação.

O presidente e sócio da Good Storage, Thiago Augusto Cordeiro, admitiu que o setor vive uma “guerra de preços” neste momento de crise e que a aposta nos guarda-móveis exige “capital paciente”, que esteja disposto a esperar o longo período de maturação do negócio. “Toda vez que um investimento como esse acontece, é bom para o setor, pois é uma forma de apresentar o conceito, que ainda é pouco conhecido, à população”, disse o executivo.

Segundo ele, para quem souber esperar, o negócio tem potencial de sobra: “Nos Estados Unidos, nenhum outro investimento imobiliário dá retorno maior, seja em escritório, galpões ou shoppings.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.