Golpe dava prejuízo mensal de R$ 400 mil à Oi na Bahia

Policiais civis do Departamento de Crimes Contra o Patrimônio (DCCP) de Salvador (BA) prenderam nove pessoas hoje, durante a Operação Banda Larga, que investiga fraudes de empresas terceirizadas contra a operadora de telefonia Oi/Telemar na região metropolitana da capital baiana. Segundo o diretor do DCCP, delegado Arthur Gallas, os prejuízos, calculados pela Telemar, são de em torno de R$ 400 mil por mês."Esses prestadores de serviços trabalhavam em duas frentes ao aplicar os golpes: passavam créditos indevidos a clientes de telefonia, multiplicando os créditos adquiridos por eles, e instalavam aparelhos para tráfego de dados de internet na chamada banda larga, que permitiam aos clientes navegar sem serem cobrados", afirma Gallas. De acordo com o delegado, os acusados estavam sendo investigados há oito meses - e vários consumidores que tiravam proveito do golpe, pagando "por fora" aos prestadores de serviços, também foram identificados. Além disso, a polícia investiga a participação de funcionários da Oi/Telemar no crime. Três mandados de prisão ainda estão em aberto."Só efetuamos as prisões das pessoas contra quem conseguimos reunir provas suficientes para isso", diz Gallas. "Outros mandados de prisão podem ser expedidos a qualquer momento e os consumidores identificados também vão responder pela participação no golpe". Os acusados vão ficar detidos por cinco dias (prisão temporária), para prestarem esclarecimentos sobre o crime. Depois, devem responder na Justiça por estelionato e formação de quadrilha. Em nota, a operadora afirma que a ação policial é uma resposta às tentativas de golpe que sofre.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.