Benoit Tessier/ Reuters
Benoit Tessier/ Reuters

Golpes de criptmoedas causam prejuízo de US$ 1 bilhão desde 2021, mostra relatório

De acordo com a Comissão Federal de Comércio dos Estados Unidos, mais de 46 mil pessoas denunciaram terem sido vítimas de golpes

Redação, O Estado de S.Paulo

06 de junho de 2022 | 11h49

A Comissão Federal de Comércio dos Estados Unidos (FTC, na sigla em inglês) divulgou que mais de 46 mil pessoas denunciaram terem sido vítimas de golpes envolvendo criptomoedas, totalizando uma perda de US$ 1 bilhão desde 2021 até o primeiro trimestre deste ano. Bitcoin (70%), Tether (10%) e Ether (9%) foram as moedas virtuais mais usadas nesses golpes.

Para base de comparação, em 2018, as perdas por fraude somaram US$ 12 milhões. Em 2019, a cifra subiu para US$ 33 milhões. Em 2020, US$ 103 milhões. Já em 2021, foram roubados US$ 680 milhões, um aumento de quase 60 vezes em relação a 2018. No primeiro trimestre deste ano, foram roubados US$ 29 milhões. 

Os dados da FTC indicam que a combinação de redes sociais e criptomoedas são o combustível para as fraudes. Quase metade das pessoas que denunciaram esquemas fraudulentos disseram que viram uma publicação ou mensagem nas redes sociais. Instagram (32%), Facebook (26%), WhatsApp (9%) e Telegram (7%) foram as redes mais usadas. 

Dos golpes que iniciaram nas redes sociais, disse a comissão, a maior parte do dinheiro roubado (US$ 575 milhões) foi motivada por falsas promessas de investimentos com ganhos elevados. Em segundo lugar, os falsos romances que depois evoluíam para uma oferta casual de investimento em criptomoedas foram responsáveis pela perda de US$ 185 milhões. Contas falsas se passando por empresas ou agentes do governo levaram US$ 133 milhões. 

A FTC estima que a perda de dinheiro seja ainda maior, já que a "vasta maioria" não denuncia as fraudes. 

Golpistas utilizam criptomoedas para aplicar golpes porque não há um banco ou outra autoridade monetária que consiga barrar o golpe antes que ele aconteça. Uma vez que a moeda virtual é transferida, não há como suspender a operação. 

Segundo a FTC, pessoas entre 20 e 49 anos são três vezes mais propensas a denunciar fraudes do que as faixas etárias mais velhas. Os relatórios apontam para pessoas na faixa dos 30 anos como as mais atingidas – 35% de suas perdas por fraude relatadas desde 2021 foram em criptomoedas. Mas as perdas médias individuais relatadas tendem a aumentar com a idade, chegando a US$ 11.708 para pessoas na faixa dos 70 anos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.