Goodyear vai usar casca de arroz na produção de pneus

finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Goodyear vai usar casca de arroz na produção de pneus

Empresa americana estuda há 4 anos a obtenção de sílica, que é um composto do pneu, a partir das cinzas do grão

NAYARA FRAGA, O Estado de S.Paulo

24 de setembro de 2014 | 02h04

A casca do arroz vai assumir, em breve, o papel de matéria-prima na fabricação de pneus de uma das maiores fabricantes do mundo. Após um período de estudo de quatro anos, a americana Goodyear descobriu ser possível obter, a partir da queima das cascas, a sílica - substância usada principalmente em pneus de alta performance. Extraído hoje principalmente da areia, o elemento tem a propriedade de reduzir o atrito do pneu com o chão, o que proporciona economia de combustível.

A empresa diz estar em negociação com possíveis fornecedores de casca de arroz da Ásia, dos Estados Unidos e do Brasil. Os nomes dos parceiros ainda não são revelados.

O diretor de programas de ciência e tecnologia na Goodyear, Surendra Chawla, afirma que a expectativa da companhia é começar a usar esse novo tipo de sílica no início do ano que vem. A ideia é substituir a sílica obtida da areia pela derivada das cascas de arroz. "Nós esperamos que os consumidores continuem comprando esses pneus (com sílica na composição)", diz. "Para alguns, o lado ambientalmente responsável do processo de produção pode deixá-los mais propensos a comprar o pneu."

A empresa afirma que continuará a usar a sílica vinda da areia - apesar de ser um processo mais custoso e complicado - porque as cascas de arroz fornecidas pelo parceiros não serão suficiente para atender a demanda. Para obter 1,3 kg de cinzas com sílica, é preciso queimar entre 6,3 kg e 6,8 kg de cascas de arroz.

O preço para o consumidor será o mesmo do pneu que já contém a sílica vinda da areia, segundo a companhia. A durabilidade do produto também é a mesma.

Mercado. Encontrar formas mais sustentáveis de produzir pneus é uma preocupação crescente do setor. A Continental, por exemplo, integra um consórcio de institutos de pesquisa e parceiros industriais que voltam sua atenção para o dente-de-leão - flor cujas sementes se espalham pelo ar com um sopro. O látex da planta medicinal produz uma borracha com a mesma qualidade da seiva da seringueira, segundo descobertas de pesquisadores alemães.

A fabricante de pneus Michelin, a petroquímica Braskem e a empresa de biotecnologia Amyris são parceiras no desenvolvimento de uma tecnologia que usa açúcares de plantas, como cana-de-açúcar, para produzir isopreno renovável - composto usado na produção de pneus.

Para Robert Wieselberg, sócio da Mind Partners, consultoria em estratégia de negócios e marketing, as iniciativas sustentáveis são consequência da necessidade da indústria de reduzir os danos ambientais e usar menos derivados do petróleo. É também, segundo o especialista, uma resposta às pressões da sociedade em torno dos três "erres": reduzir, reciclar e reutilizar. "Numa indústria que tem pouca diferenciação, é interessante ver as marcas tentando criar um vínculo emocional diferente com o consumidor", diz.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.