Google aposta em comércio eletrônico e TV

O Google projetou em 2010 que em 2013 estaria obtendo mais de 35% de sua receita fora de seu mercado tradicional, o de publicidade vinculada a buscas, antecipando que as operações não relacionadas a buscas em três áreas diferentes, entre as quais o comércio eletrônico, gerariam mais de US$ 5 bilhões de dólares cada, de acordo com documentos internos da companhia que foram apresentados à Justiça.

SAN FRANCISCO, O Estado de S.Paulo

27 de abril de 2012 | 03h05

Os documentos oferecem um raro vislumbre dos pensamentos do Google e refletem seus ambiciosos planos de expansão em novos mercados, destacando desafios que tem de enfrentar em seus esforços para reduzir a dependência do serviço de buscas.

O comércio online e uma iniciativa para oferecer os serviços do Google em televisores eram pilares importantes dos planos de crescimento da companhia naquele momento, os documentos mostram. Mas analistas afirmam que nenhuma das duas coisas parece estar a caminho de propiciar o retorno que o Google esperava. "As ambições do Google quanto a TV e comércio parecem agressivas, se comparadas à situação em que os vemos hoje", disse Herman Leung, analista do Susquehanna Financial Group.

As projeções para as diversas operações da companhia eram parte de uma apresentação ao conselho do Google que a equipe da empresa preparou em outubro de 2010. Elas foram reveladas no julgamento de um importante processo da Oracle contra o Google por tecnologia usada em celulares inteligentes.

O Google tentou convencer o juiz federal norte-americano William Alsup a manter em segredo seus documentos internos, mas o juiz recusou o pedido uma semana atrás.

Jim Prosser, porta-voz do Google, afirmou na quarta-feira que os documentos não representam o pensamento atual da companhia sobre suas operações de negócios. "Nosso setor continua a evoluir com velocidade incrível, e o mesmo se aplica às nossas aspirações para os diversos produtos e serviços que oferecemos", disse.

Ainda assim, a apresentação revela algo sobre o pensamento estratégico do Google em um momento no qual o serviço de buscas dominante estava enfrentando pressão da concorrência em diversas frentes. O Google destacou a ameaça emergente da aliança entre o serviço de redes sociais Facebook e o serviço de buscas Bing, da Microsoft, apontando que "usuários do Facebook-Bing poderiam deixar de usar o Google".

TV. A divisão YouTube do Google tinha faturamento estimado em US$ 5 bilhões para 2013, com uma contribuição de US$ 3 bilhões do Google TV, um produto que permite acessar serviços da empresa em televisores. Mas o Google TV não obteve sucesso com os consumidores. / REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.