finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Google é a marca que mais se valoriza no mundo

Valor cresceu 44% em um ano em ranking que traz, mais uma vez, Coca-Cola, Microsoft e IBM na liderança

Patrícia Cançado, O Estadao de S.Paulo

07 de julho de 2027 | 00h00

O Google repete no marketing a retumbante ascensão vivida na internet. A marca vale hoje US$ 17,8 bilhões, 44% mais que em 2006, ano em que já havia registrado um crescimento semelhante. Segundo pesquisa das 100 marcas mais valiosas do mundo da consultoria Interbrand, a empresa criada por Larry Page e Sergey Brin há menos de uma década foi a que mais se valorizou em 2007.O Google subiu quatro degraus no ranking e agora aparece na vigésima posição. A rede espanhola de varejo Zara, que registrou o segundo melhor resultado (22% de crescimento) da pesquisa, é a 64ª da lista, com uma marca avaliada em US$ 5,1 bilhões. Apple, Nintendo e Starbucks foram as outras emergentes da pesquisa.No topo do ranking, não houve quase nenhuma novidade. Coca-Cola, Microsoft, IBM e GE permanecem entre as quatro mais bem colocadas. A surpresa entre as gigantes foi a melhora da pontuação do McDonald''''s. Apesar da patrulha ao fast food, a marca teve uma valorização de 7% no último ano.''''O grande mérito do McDonald''''s foi saber enfrentar seus fantasmas. A rede aumentou o cardápio, melhorou a qualidade dos produtos e dos serviços e ampliou o número de cafés, o que trouxe mais sensação de aconchego para a marca'''', diz o diretor-geral da Interbrand Brasil, Alejandro Pinedo.A pesquisa é um retrato rico do mundo dos negócios. Em geral, o ranking reflete bem a saúde financeira e o acerto das estratégias das companhias. ''''As empresas que mais perderam valor no último ano (Ford, Gap, Kodak, Pizza Hut e Motorola) foram justamente aquelas que precisam se reinventar'''', acredita Pinedo.NOVOS RICOSNo lista de 2007, chama atenção a estréia de três seguradoras - Allianz, AXA e AIG - e o avanço acima de 10% de grifes de luxo consagradas, como Louis Vuitton, Chanel, Audi, Hermes, Cartier, Moet & Chandon e Prada. Além da Polo Ralph Lauren, nome intimamente ligado ao universo do pólo, que entrou para o ranking pela primeira vez.A entrada das seguradoras é resultado direto de um trabalho de marketing mais próximo do consumidor. A Allianz começou a patrocinar a Fórmula 1 e a americana AIG colou seu nome ao time inglês de futebol Manchester United.No caso do luxo, a explicação está na conquista do mercado asiático. Os novos clientes são muitos, têm cada vez mais dinheiro no bolso e são alucinados por marcas de prestígio. A Louis Vuitton é um bom exemplo, com 16 lojas em 13 cidades chinesas. A grife manteve-se na 17ª posição, mas sua marca vale hoje US$ 20,3 bilhões, 15% mais que no ano anterior.As marcas brasileiras continuam fora do ranking. Segundo Pinedo, essa ainda é uma realidade distante para as empresas do País, que iniciaram só recentemente a conquista de mercados fora do território nacional. Atualmente, as empresas brasileiras mais globalizadas são as produtoras de commodities, cujo apelo de marca é bem menor que o das empresas de bens de consumo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.