Google e Barnes & Noble se unem contra a Amazon

Site de buscas e livraria passaram a oferecer em algumas cidades serviço de compras online com entrega no mesmo dia

ALEXANDRA ALTER , THE NEW YORK TIMES , O Estado de S.Paulo

10 de agosto de 2014 | 02h05

O Google e a livraria Barnes & Noble estão se unindo para competir com a Amazon, rival de ambas as companhias, de olho principalmente no serviço no qual a Amazon lidera há muito tempo: a entrega rápida e barata de livros.

Desde semana passada, quem comprar livros em Manhattan, West Los Angeles e na Bay Area de San Francisco poderá receber no mesmo dia o produto das lojas da Barnes & Noble local, se usar o Google Shopping Express, o serviço criado pelo Google para compras online e entregas.

O Google Shopping, que começou a operar há cerca de um ano, permite que o comprador online encomende produtos de lojas como Costco, Walgreens, Staples e Target. As entregas são feitas em algumas horas.

A parceria dará à Barnes & Noble a possibilidade de avançar na área de vendas online num momento de estagnação dos seus negócios tradicionais. Nos últimos cinco anos, a companhia fechou 63 lojas, o que a deixou com uma base de cerca de 660 unidades de varejo e 700 em campus universitários.

Michael P. Huseby, o diretor executivo da livraria, definiu o acordo com o Google como um "teste" e disse que é uma maneira de aumentar o alcance online da companhia e melhorar as vendas em suas lojas físicas."É nossa tentativa de ligar o digital ao físico", afirmou. A livraria já tentou emplacar um tablet no mercado, chamado Nook, mas não teve sucesso.

A Amazon representa uma ameaça constante e cada vez maior para o Google e a Barnes & Noble. Seu crescimento contribuiu para a queda das vendas e a diminuição do tráfego de clientes nas lojas físicas, além de dominar o mercado online de livros. A popularidade da Amazon como loja de compras online tem potencial para afetar o lucrativo negócio de publicidade do site de buscas.

Acrescentando a Barnes & Noble à sua lista de 19 parceiros varejistas, o Google lança um ataque mais explícito à Amazon. A parceria ocorre, inclusive, no momento em que diversos autores e consumidores de livros se dizem frustrados com a Amazon, acusada por eles de adotar táticas de negociação punitivas com algumas editoras.

"Muitos dos nossos clientes dizem que quando leem a resenha de um livro ou recebem recomendação de um amigo, querem uma forma fácil de comprar o produto, para começar a ler à noite", disse Tom Fallows, diretor de produtos do Google Shopping Express. "Achamos que seria uma solução natural aproximar os compradores à Barnes & Noble de sua cidade".

A concorrência na entrega mais rápida dos produtos aumentou nos últimos anos, porque os varejistas entraram na briga por uma fatia no florescente mercado de e-commerce.

Competição. A Amazon já lidera na entrega do produto no mesmo dia da compra. O serviço da Amazon custa US$5,99 para os integrantes do seu programa Prime, e US$ 9,98 para os outros. Walmart e eBay também adotaram o serviço.

A estratégia do Google difere da Amazon e das outras grandes varejistas. Em vez de manter depósitos repletos de mercadoria, o Google utiliza uma frota de mensageiros que fazem a coleta dos produtos nas lojas locais, empacotam, e entregam no prazo de três a quatro horas. A entrega é gratuita para os assinantes do Google Shopping Express, e custa US$ 4,99 por entrega e por loja, para os outros. A assinatura é gratuita nos primeiros seis meses. O Google não informou o valor da taxa da assinatura.

As lojas da Barnes & Noble que integram a parceria com o Google vão dispor cada uma de um site para receber as encomendas. O Google vai reunir os pedidos e entregá-los a um mensageiro.

A livraria não está processando as encomendas do Google Shopping Express em seu próprio site, que também oferece envio expresso gratuito aos seus membros, e entrega gratuitamente as encomendas a partir de US$ 25 para todos. (Em Nova York, os clientes da Barnes & Noble podem receber as encomendas no mesmo dia).

A empresa espera um aumento de suas vendas graças aos clientes do Google Shopping, disse Jaime Carey, diretor de merchandising da livraria. "O Google tem sua enorme base de clientes", afirmou."Eles atrairão novos clientes para nós"./ TRADUÇÃO DE ANNA CAPOVILLA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.