Google enfrenta investigações na Europa por coleta ilegal de dados

Alemanha, França, Itália e Espanha querem saber que dados a empresa captou com seu serviço de mapas Street View

Agências Internacionais, O Estado de S.Paulo

20 de maio de 2010 | 00h00

O Google, que já está sendo investigado na Alemanha pela coleta ilegal de dados privados por meio de seu serviço de mapas Street View, deve enfrentar problemas também na Espanha, na França e na Itália por possível violação das leis de privacidade. O Google realiza esse serviço com carros da empresa que há anos fotografam as ruas do mundo para mapear as cidades, e afirma que a coleta de dados se deu de forma involuntária.

Na Espanha, as autoridades já ordenaram uma investigação sobre se o Google quebrou as regras de privacidade do país ao coletar e armazenar dados de redes Wi-Fi (sem fio), além de enviar as informações dessas redes. Itália e França também farão investigações. Para especialistas, entre esses dados podem estar informações confidenciais, como senhas e e-mails.

A agência espanhola responsável pela investigação vai "chamar o Google para explicar se realmente coletou dados sem o consentimento dos cidadãos da Espanha", segundo um comunicado. De acordo com a agência, já foi enviado um pedido formal ao Google pedindo que sejam bloqueados os dados associados às redes sem fio coletados em território espanhol.

Admissão. Na Itália, a Autoridade Fiadora para a Proteção de Dados Pessoais também já investiga o caso. "Segundo o que admitiu o próprio Google Itália, (o serviço) inclui imagens e informações obtidas por redes sem fio", disse, em nota.

A autoridade italiana irá investigar também a captação de "fragmentos de comunicações eletrônicas, possivelmente transmitidas por usuários através de redes sem fio não protegidas" que o Google possa ter realizado.

A empresa americana deve agora esclarecer a data de início da captação de dados, sua finalidade e os meios de como foi feita, bem como se houve uso de outros aparelhos para obter dados sobre redes de internet sem fio e de telefonia celular.

A situação da empresa é mais complicada na Alemanha. Ontem, promotores públicos da cidade de Hamburgo abriram uma investigação criminal contra a gigante da internet por causa da coleta de dados. A ação aumenta a pressão para que a empresa abra os dados coletados de maneira irregular, algo que não quis fazer até agora.

/

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.