Google lança nova versão de serviço de TV

O Google está fazendo outro esforço para levar sua liderança na internet para aparelhos de televisão, na esperança de entrar em um mercado vasto e novo apesar da fraca reação dos consumidores à primeira tentativa.

SAN FRANCISCO, O Estado de S.Paulo

29 de outubro de 2011 | 03h07

A companhia de buscas na web anunciou uma renovada versão do Google TV ontem, trazendo novas funcionalidades que visam tornar o produto mais fácil de usar e mais atraente para os consumidores.

A versão 2.0 do Google TV fornece novas ferramentas para recomendação de filmes, programas de TV e vídeos on line, e torna mais fácil para desenvolvedores de software criar novas aplicações para a tela de televisão.

"Há muita sede de usar internet na sala de estar", disse o vice-presidente de gerenciamento de produtos Mario Queiroz, líder do projeto Google TV.

Longo prazo. No entanto, em uma alusão aos muitos desafios frustrados do Google para conquistar as salas de estar, Queiroz descreveu a Google TV como uma "aposta de longo prazo" para a companhia.

"Eu não sei o mês exato em que isso vai decolar", disse ele durante uma demonstração do novo produto na sede do Google, na Califórnia, semana passada. "Acho que tem havido um grande progresso em relação ao ano passado e no ano que vem haverá muito mais progresso", afirmou o executivo.

A Google TV, que atualmente vem embutida em alguns modelos de televisores da Sony e de produtos da Logitech, permite aos consumidores acessar vídeos on line e sites em suas TVs, bem como se divertir com aplicativos, como games.

O Google não revela quantos usuários tem para o Google TV, que foi lançado no ano passado. Mas alguns analistas dizem que a versão 1.0 do produto tem sido um fracasso. "A fogueira que eles estavam tentando acender nem sequer gerou faísca", disse o analista James McQuivey, da consultoria Forrester Research.

O preço de US$ 299 para o Google TV mais barato era muito alto, disse McQuivey. A Logitech, desde então, reduziu o preço para US$ 100. E o fato de muitas das redes de televisão, talvez sentindo uma ameaça do Google, terem bloqueado seus programas no Google TV criou confusão entre os consumidores, explicou o analista.

Mas a TV é um segmento muito atrativo para o Google ignorar, concordam analistas, especialmente para uma companhia que gerou 96% de suas receitas em 2010 de publicidade. Segundo a empresa de pesquisas IDC, o segmento publicitário em programas de televisão deve ficar próximo a US$ 70 bilhões nos EUA apenas neste ano. / REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.