Toni Albir/Efe
Toni Albir/Efe

finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Google lança serviço para assinatura de conteúdo digital

One Pass esquenta a disputa entre Google e Apple pelo conteúdo em smartphones e tablets

, O Estado de S.Paulo

17 de fevereiro de 2011 | 00h00

REUTERS / SAN FRANCISCO

O Google lançou ontem um serviço que pretende facilitar aos proprietários de veículos de comunicação a venda de versões digitais de jornais e revistas, deixando para trás um projeto semelhante lançado pela Apple, na briga entre as duas gigantes pelo predomínio na área de smartphones e tablets.

O Google anunciou em um blog seu plano para atrair jornais e revistas, um dia depois de a Apple apresentar uma plataforma de assinaturas para mídia digital vendida por meio de sua loja de aplicativos iTunes.

O serviço do Google, chamado One Pass, permite aos proprietários vender conteúdo que os consumidores podem visualizar em sites, bem como em aplicativos especializados destinados a smartphones e tablets. As publicações podem cobrar pelo conteúdo de inúmeras maneiras, incluindo assinatura, por quantidade de acessos e vendas de artigos separadamente.

Pelo plano da companhia, as publicações ficam com 90% da receita das assinaturas conseguidas por meio do One Pass - o que representa um golpe direto na Apple, que permite que elas fiquem com apenas 70% da receita das assinaturas obtidas por meio de aplicativos baixados pelo iTunes.

"Não temos a intenção de ganhar dinheiro com isso", disse o presidente do Google, Eric Schmidt, em um evento em Berlim. "Queremos que os proprietários de jornais e revistas fiquem com todo o dinheiro possível." O serviço do Google permite também que as publicações forneçam aos atuais assinantes da mídia impressa acesso gratuito ou com desconto ao conteúdo digital, informou a empresa.

Apple. Na terça-feira, a Apple lançou um plano de assinaturas que estava sendo esperado há muito tempo para revistas, jornais, vídeos, música e livros, que oferece conteúdo digital em aplicativos especializados para usuários de iPad e iPhone. O serviço deixa que os consumidores decidam quais os dados pessoais que terão de fornecer às publicações na hora de fazer a assinatura.

Analistas disseram que o novo plano da Apple poderá irritar os desenvolvedores de conteúdo. "É um plano míope", disse o analista da Forrester, James McQuivery, em um blog. "A Apple deu a cada proprietário, produtor e distribuidor do ramo um motivo para buscar alternativas aos elegantes aplicativos dos quais, até agora, ele nos ensinou a depender".

Um dos problemas para as publicações no plano por assinatura da Apple diz respeito aos dados do cliente. As publicações costumam proteger particularmente informações dos assinantes como nome, endereço e cartão de crédito, porque isto as ajuda a atrair anunciantes e a comercializar novos produtos para os leitores atuais. / TRADUÇÃO DE ANNA CAPOVILLA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.