Google lucra US$ 1,97 bi no 4º trimestre e supera expectativas

Valor é 5 vezes maior do que o registrado em igual período de 2008; cliques remunerados cresceram 13%

Gustavo Nicoletta, da Agência Estado

21 Janeiro 2010 | 19h45

O lucro do Google no quarto trimestre de 2009 foi cinco vezes maior do que o registrado em igual período do ano anterior e superou as estimativas de analistas, fortalecido pelo crescimento da frequência de cliques nos anúncios oferecidos pela companhia.

 

No quarto trimestre do ano passado, o lucro líquido do Google somou US$ 1,97 bilhão, ou US$ 6,13 por ação, em comparação a US$ 382 milhões, ou US$ 1,21 por ação, em igual trimestre de 2008. Excluindo compensações baseadas em ações e outros itens, o lucro por ação aumentou para US$ 6,79, de US$ 5,10.

 

"Levando em consideração que a economia global ainda está no estágio inicial da recuperação, este foi um encerramento de ano extraordinário", disse o executivo-chefe da empresa, Eric Schmidt.

 

A receita do Google cresceu 17%, para US$ 6,67 bilhões. Os custos para aquisição de tráfego - comissões pagas a parceiros - totalizaram US$ 1,72 bilhão, ou o equivalente a 27% da receita com publicidade.

 

Analistas consultados pela Thomson Reuters esperavam um lucro ajustado de US$ 6,48 por ação e uma receita de US$ 4,92 bilhões excluindo os custos para aquisição de tráfego.

 

Os cliques remunerados do Google nos EUA - um indicador da frequência com a qual os consumidores clicaram nos anúncios da companhia - cresceram 13% no quarto trimestre de 2009 em relação igual período do ano anterior e 9% na comparação com o terceiro trimestre. O custo por clique subiu 5% em termos anuais e 2% ante o terceiro trimestre.

 

As ações da companhia, que fecharam em alta de 0,44%, recuavam 5,1% no pós mercado após a divulgação do balanço.

 

As informações são da Dow Jones.

Mais conteúdo sobre:
Google balanço lucro ações

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.