Google pode ser obrigado a fazer mais concessões na Europa

Comissão Europeia investiga se a empresa adotou práticas que violam as leis de concorrência no bloco

O Estado de S.Paulo

29 de maio de 2013 | 02h08

O órgão supervisor da concorrência da União Europeia deve pedir que o Google faça novas concessões para solucionar as preocupações com o modo como o site de busca apresenta os resultados das pesquisas. A informação foi divulgada ontem pelo comissário europeu Joaquín Almunia.

"Esse teste do mercado deveria ter sido concluído ontem, mas a pedido de alguns participantes nós decidimos prolongá-lo em um mês, então no fim de junho receberemos as respostas", afirmou Almunia ao Parlamento Europeu ontem. "Depois disso vamos analisar as respostas e provavelmente pediremos que o Google melhore suas propostas", acrescentou.

No mês passado, o Google apresentou ao órgão antitruste da União Europeia planos para aperfeiçoar a forma como mostra os resultados das buscas, depois que empresas disseram que estavam sendo tratadas injustamente. Por exemplo, a TripAdvisor e a Expedia disseram que eram artificialmente ocultadas nas pesquisas no site.

O Google se comprometeu a modificar a forma como exibe informações personalizadas para certas buscas usando dados disponíveis em outros sites. O Google propôs identificar com mais clareza o serviço do qual as informações foram usadas e incluir links de outros mecanismos de buscas. Além disso, a empresa daria opção para os fornecedores de conteúdo escolherem se querem ou não que os dados sejam usados nos resultados especializados.

"Nós acreditamos que nossa proposta apresentada à Comissão Europeia soluciona as quatro preocupações levantadas", disse um porta-voz do Google. "Continuamos trabalhando com a Comissão para resolver o caso."

Segundo Almunia, a Comissão recebeu uma queixa formal sobre alguns aspectos do sistema Android. "Não decidimos se vamos abrir ou não uma investigação formal." / DOW JONES

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.