seu bolso

E-Investidor: O passo a passo para montar uma reserva de emergência

Google, uma empresa de energia alternativa

Com projetos de energia limpa, empresa tem isenção fiscal de US$ 1,4 bilhão

Brian Womack, Bloomberg News, O Estado de S.Paulo

11 de março de 2014 | 02h02

Numa fazenda na Carolina do Norte, nos Estados Unidos, antigamente usada para a produção de forragem animal, o Google vem gerando energia a partir de mais de 100 mil painéis solares, destinada ao aquecimento de residências próximas - e apostando em uma área evitada por muitos investidores.

A fazenda solar Galt, a 32 quilômetros ao sul de Sacramento é um dos 15 projetos de energia alternativa que o Google financia desde 2010, como parte de um investimento de US$ 1,4 bilhão para a produção de energia limpa. Desta maneira, a companhia de busca tornou-se a maior patrocinadora de projetos de energia alternativa nos EUA nesse período, excluindo concessionárias e instituições financeiras.

Mais da metade dos projetos energéticos do Google está voltado para a energia solar, um mercado que vinha decaindo. O Google vem se empenhando para ter sucesso onde outros falharam, evitando a produção de painéis e, ao mesmo tempo, aproveitando os controvertidos incentivos fiscais que podem gerar ganhos de investimento de mais de 10% ao ano, segundo analistas.

"Estamos de olho em projetos que nos propiciem retornos atrativos", disse Rick Needham, que ingressou na empresa em 2008 como diretor de energia e sustentabilidade.

Aposta. A energia limpa atrai a atenção de muitas empresas de tecnologia. O Facebook, por exemplo, vem desenvolvendo uma fazenda eólica em Iowa e o objetivo é gerar pelo menos um quarto da energia usada pelo seu centro de dados a partir de fontes renováveis em 2015. Com US$ 60 bilhões em caixa, a empresa anunciou investimentos no campo energético de quase US$ 400 milhões em 2013.

O Google, com aprovação do diretor executivo Larry Page, tem buscado maneiras mais criativas de aplicar seus recursos e difundir a energia renovável no mundo. As intensivas operações de dados da companhia também exigem muita energia elétrica.

A companhia se lança no campo da energia solar, ao passo que os investidores de risco recuam. O montante de dólares investidos caiu mais de 70% no ano passado em comparação com 2011, com o volume de negócios diminuindo em quase 40%, de acordo com a National Venture Capital Association.

O Google também precisa agradecer ao seu estado natal, o maior mercado de energia solar do país, por grande parte da sua expansão. Em 2011, o governador da Califórnia Jerry Brown, sancionou lei exigindo que as fontes renováveis de energia constituam 33% da oferta de energia em 2020.

O avanço da Google no campo da energia solar tem sido auxiliado pela Recurrent Energy, desenvolvedora de projetos neste campo de propriedade da Sharp Corporation. Em novembro, o Google e a empresa de private equity KKR & Co financiaram seis projetos da Recurrent na Califórnia e no Arizona.

"Mais projetos podem ser realizados quando os custos baixarem", disse Michael Metzner, diretor financeiro da Recurrent Energy. "Poderemos fornecer energia solar a preços próximos dos cobrados para a energia convencional".

O Google usa incentivos do governo que lhe permitem reduzir suas obrigações tributárias investindo em energia renovável. Os projetos no campo da energia solar podem gerar retornos de 10% a 14% ao ano, com metade dos ganhos vinculados aos incentivos, disse Paul Maxwell, diretor de práticas energéticas na Navigant Consulting. Esses investimentos só foram superados pelo JPMorgan Chase & Co., o US Bacorp e MetLife Incorporated.

Projetos. O Google tem apoiado publicamente a energia limpa desde 2007, quando criou um grupo de pesquisa dentro da sua divisão de projetos filantrópicos para desenvolver a energia renovável. No início, os trabalhos tinham por objetivo os centros de dados da companhia que consomem muita energia para operar as bilhões de consultas mensais e os vídeos do YouTube. Larry Page encerrou a iniciativa em Novembro de 2011. "Outras instituições estão melhor colocadas do que a Google para levar a pesquisa para o nível seguinte", disse.

Os projetos da Google no campo da energia solar são diversos. Em 2011, a companhia fez um financiamento de US$ 280 milhões para a SolarCity Corporation, para a provedora de energia solar residencial expandir seus serviços. No ano passado, investiu US$ 103 milhões numa usina solar no sul da Califórnia que fornece energia para 80 mil residências. (Tradução de Terezinha Martino)

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.