Google vende 14,76 milhões de ações

Um dia antes de completar um ano como empresa que negocia suas ações na bolsa, a ferramenta de buscas na Internet Google anunciou nesta quinta-feira que venderá até 14,76 milhões de novas ações. Ao preço do fechamento de ontem, isto equivale a cerca de US$ 4,2 bilhões, dinheiro que a empresa disse será usado em propósitos "gerais" e possíveis compras de negócios complementares.A empresa venderá 14,16 milhões de ações no mercado aberto, em uma operação guiada por Morgan Stanley, Credit Suisse First Boston e Allen & Company, empresas que poderão optar por vender 600.000 ações adicionais. Após a venda, a companhia, que começou a negociar na bolsa ano passado com uma oferta de 19,6 milhões de ações, terá no mercado um total de 191,1 milhões de títulos.A empresa disse que não tem acordos para possíveis compras, o que fez com que os analistas especulem sobre o fim da nova oferta de ações. Alguns acreditam que o Google tentará comprar outras companhias a fim de agregar mais conteúdo, que até hoje se mantém graças ao faturamento com publicidade em sua extremamente bem-sucedida página de busca.Sucesso no mercadoO Google é o maior buscador da Internet, com uma participação de mercado de 56%, mais que o 48% do ano passado, e muito acima do Yahoo, que tem 22% (menos que o 26% do ano passado) e MSN, que possui 11% (mais que o 10% do ano passado). O primeiro ano do Google na bolsa foi marcado pelo sucesso: o valor de suas ações mais que triplicou e a empresa conseguiu bater as previsões dos analistas de faturamento e lucro em cada um dos últimos quatro trimestres. Ao mesmo tempo, seus ganhos quintuplicaram e seu faturamento duplicou.No entanto, no mês passado o gerente geral da companhia, Eric Schmidt, disse a analistas que no trimestre em curso o faturamento não crescerá tanto como nos períodos passados. Por isso muitos analistas especulam que o Google realiza esta venda de ações para ter capital para comprar empresas e entrar em novos negócios que permitam manter seu ritmo de crescimento. De acordo com os especialistas, o fato de que existam mais ações da empresa em circulação diluirá o preço dos títulos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.