Governador do Ceará descarta reestadualização do BEC

O governador do Ceará, Lúcio Alcântara (PSDB), descartou por completo a proposta de reestadualização do Banco do Estado do Ceará (BEC), federalizado no dia 31 de maio de 1999. "Essa possibilidade inexiste", disse o governador ao deixar o Ministério da Fazenda, onde se reuniu com o ministro Antônio Palocci Filho.A proposta de reestadualização do BC foi defendida minutos antes pelo deputado federal João Alfredo (PT-CE), durante encontro com Palocci. Para o governador, que foi recebido em audiência pelo ministro logo após o encontro de João Alfredo, a proposta não faz sentido, uma vez que o governo cearense está discutindo com o governo federal a liberação de recursos."Para o banco voltar para o governo do Ceará o Estado teria que pagar à União e não há como arcarmos com esse ônus", disse Alcântara. "O governador do Ceará não tem nada a opor ao processo de privatização do banco." Alcântara disse ainda que também não faz nenhum objeção à outra proposta defendida pelo deputado João Alfredo, de incorporação do BEC pelo Banco do Nordeste (BNB). "Essa é uma decisão que cabe ao governo federal, já que tanto o BEC quanto o BNB são instituições federais", disse Alcântara.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.