Governador do MT não ´espera muito´ do governo

Apesar de ter uma reunião na tarde desta terça-feira com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o governador do Mato Grosso, Blairo Maggi (PPS-MT), afirmou que "não espera muita coisa do governo federal". Ao chegar ao Senado para participar do seminário que discutirá a situação atual do agronegócio, o governador fez um alerta aos jornalistas "o que aconteceu em São Paulo pode se repetir em outros lugares, por outros motivos. A situação não é de tranqüilidade, é muito complicado".O governador contou que visitou na semana passada dez cidades do Mato Grosso e que nestas visitas percebeu que é preciso medir as palavras. "É preciso tomar cuidado com o que se fala, pois os ânimos estão acirrados. Confesso que eu não sei o que fazer para desmobilizar o que temos no campo hoje", afirmou. Maggi refere-se ao movimento dos produtores iniciado no dia 21 de abril no Mato Grosso, que consiste no bloqueio de trechos de rodovias.Desemprego O governador afirmou ainda que no condomínio Marechal Rondon, uma vila que abriga 600 famílias de fazendeiros no Estado do Mato Grosso, o nível de desemprego é muito alto. Do total de família, 400 estão desempregadas. Ele culpou o câmbio e o "cartel dos agroquímicos" pela crise do setor agropecuário. Maggi disse que defenderá, na reunião que terá à tarde como presidente Lula, duas frentes. A primeira é para "livrar os produtores das dívidas e a segunda trata de medidas estruturais, tais como a desoneração tributária e a alocação de crédito novo para plantio da safra 2006/07.

Agencia Estado,

16 de maio de 2006 | 15h10

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.