Dida Sampaio/Estadão - 4/8/2021
Dida Sampaio/Estadão - 4/8/2021

Governador do RJ não descarta ajustes para aderir a plano de socorro

Na saída de reunião com Paulo Guedes, Cláudio Castro, governador do Estado, disse que há 'boa vontade' em ambos os lados para alterar o documento, que foi duramente criticado pelo Tesouro Nacional

Eduardo Rodrigues, O Estado de S.Paulo

19 de janeiro de 2022 | 20h04

BRASÍLIA - Após o Tesouro Nacional rejeitar com duras críticas o plano do Rio de Janeiro de ingresso no novo programa de socorro federal, o governador fluminense, Cláudio Castro, saiu de reunião com o ministro da Economia, Paulo Guedes, prometendo explicar todos os pontos contestados. Ele não descartou ajustes no documento, fundamental para a adesão do Estado ao novo Regime de Recuperação Fiscal (RRF).

“Começamos a discutir o que tinha sido colocado nos pareceres e se observou uma grande boa vontade dos dois lados. O Estado aprofundou os pontos que o Ministério considerava que não eram claros ou que eram errados, e eles aprofundaram os pontos que acharam que o Estado descumpriu. Os dois lados perceberam que dá para avançar antes de uma decisão final sobre o RRF”, relatou o governador.

O governo fluminense pediu mais tempo para que as equipes técnicas troquem informações e uma nova reunião entre Castro e Guedes deverá ser realizada daqui a 15 dias. “Temos questões de legislação, de entendimento do que é o plano, de entendimento sobre a economia do RJ em si. São em torno de sete pontos sobre os quais as equipes buscarão convergência”, detalhou.

Apesar de o Tesouro ter considerado o plano apresentado pelo RJ como “precário”, Castro fez questão de frisar que o Estado ainda não foi excluído do programa. “Vamos pedir uma prorrogação de prazo. Até agora não há decisão alguma, mas sim a apresentação de pareceres. Estamos debatendo sobre o que se disse nesses pareceres. O Rio de Janeiro não está fora do regime”, argumentou.

O governador não descartou ajustes no plano de recuperação apresentado pelo governo fluminense, mas disse confiar que as premissas do Tesouro na análise do documento é que estariam equivocadas. “Vamos chegar a um denominador comum. Antes de falarmos de uma revisão do plano, vamos esclarecer os pontos. Não descarto alterações, mas primeiro vamos defender o que fizemos. Esse processo de diálogo e ajustes é totalmente razoável”, concluiu.

No parecer do Tesouro contrário ao plano do Rio de Janeiro, o órgão avaliou que o governo estadual não demonstrou capacidade de equacionar suas contas até 2030. Entre a série de inconsistências apontadas pelo o Tesouro, a engenharia financeira apresentada não possuiria margem de segurança para absorver “variações mínimas” nas premissas usadas pelo governo fluminense e dependeria demais da maior fiscalização das empresas petrolíferas – sem justificativa aparente.

O documento cita que o plano do governo estadual prevê um aumento de 45,2% nas despesas correntes e uma alta de 36,9% nas receitas ao longo de nove anos. O órgão reclamou ainda que o Rio de Janeiro não seguiu a recomendação para fosse “reconsiderada” a política de aumentos salariais nominais ao longo da vigência do plano de recuperação sem que houvesse receitas para arcar com esse acréscimo de gastos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.