Governador exige banco de Santa Catarina de volta

O governador de Santa Catarina, Luiz Henrique, voltou a defender hoje que o governo federal abandone o projeto de privatização do Banco do Estado de Santa Catarina (Besc). Ele quer que o banco, que já foi federalizado, volte para as mãos do Estado. ?Esse é um compromisso meu e do presidente Lula feito em palanque?, disse o governador, após encontro ontem com o ministro da Fazenda, Antonio Palocci. A privatização do Besc está prevista no acordo do governo com o FMI.No encontro com Palocci, o governador pediu um posicionamento do Ministério da Fazenda sobre a venda do prédio do centro administrativo do Besc para o governo do Estado. Luiz Henrique disse que o banco só ocupa 25% do prédio e tem uma despesa mensal de R$ 80 mil com as instalações que não são ocupadas. O governo estadual avaliou o valor do prédio em R$ 42 milhões, que seriam pagos a longo prazo, em parcelas mensais. Segundo o governador, Palocci determinou à assessoria que elabore até a próxima sexta-feira uma proposta de venda do edifício.Luiz Henrique também pediu ao ministro que o governo federal retire as restrições que impedem o Besc de operar comercialmente. Segundo ele, essas restrições foram impostas quando o Besc foi federalizado. ?O banco não pode operar. É como time de futebol que joga uma maravilha e não pode fazer gol?, disse. Luiz Henrique acredita que, se voltar a operar comercialmente, o Besc dará lucro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.