Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Governador vai à Justiça contra venda do Banco de Santa Catarina

O governador de Santa Catarina, Esperidião Amin (PPB), e o procurador-geral do Estado, Walter Zigelli, ingressaram na segunda-feira com uma ação popular com pedido de liminar para suspender o edital de privatização do Banco do Estado de Santa Catarina (Besc). A ação foi distribuída para a 5ª Vara Federal de Florianópolis. A Justiça Federal informou que a União será intimada e terá até 72 horas de prazo para se manifestar no processo.Em nota, o governo catarinense ressaltou que a ação foi movida por Amin e Zigelli como "cidadãos". O governo informou que deverá apresentar ainda uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (Adin) no Supremo Tribunal Federal com o mesmo objetivo.ÔnusSegundo o procurador, as duas medidas argumentam que o momento é inadequado para promover uma licitação de venda, já que há presidente e governadores eleitos. Além disso, há um questionamento sobre a possibilidade de o Besc ser vendido com a conta única do Estado, disse o procurador. "Com esta atitude estamos defendendo os interesses do Estado, já que a venda do banco sem a conta pública reduz seu preço e, segundo o Banco Central, isto poderá até causar a ausência de licitantes" , afirmou o procurador. "Estou pagando o ônus de ter salvado o banco e agora querem me imputar também o ônus de vender o banco", disse o governador, por meio de nota. A pressão política contra a venda do Besc deverá aumentar. O governador eleito Luiz Henrique da Silveira (PMDB) havia prometido, durante a campanha, trabalhar contra a privatização. Ele deverá ter uma reunião nesta quarta-feira com o presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Ele já havia enviado uma carta ao presidente Fernando Henrique Cardoso pedindo o cancelamento do edital.O leilão de privatização está marcado para 16 de dezembro, na Bovespa. As instituições pré-qualificadas para a disputa são Bradesco, Itaú, Unibanco e o ABN Amro.TransiçãoA senadora eleita por Santa Catarina Ideli Salvati (PT) e o deputado eleito Carlito Mers (PT) informaram, após encontro com o coordenador da equipe petista de transição, Antonio Palocci, que nesta quarta-feira o atual governo comunicará ao PT se aceita ou não o pedido de adiamento do leilão. Mers relatou ter ouvido de Palocci que este conversou sobre o assunto, na noite de ontem, com o ministro-chefe da Casa Civil, Pedro Parente, que ficou de consultar o presidente Fernando Henrique sobre o assunto. A resposta, segundo o deputado, deverá ser dada ao PT por Parente durante almoço com Palocci."Estamos em final de governo, e a política de privatização foi derrotada nas urnas", afirmou a senadora, dizendo que a venda do Besc foi tema central da campanha eleitoral no Estado. O Besc foi federalizado no início do governo de Amin, no processo de saneamento financeiro do Estado, com vistas à privatização.

Agencia Estado,

05 de novembro de 2002 | 16h14

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.