ANDRE DUSEK | ESTADÃO
ANDRE DUSEK | ESTADÃO

Governadores vão ao STF cobrar repasses da União

Processo liderado por Minas pede a divisão de recursos que levaria a um repasse de R$ 21 bilhões por ano

Lorenna Rodrigues, O Estado de S.Paulo

12 Junho 2018 | 04h00

BRASÍLIA- Vinte e dois Estados e o Distrito Federal entraram nesta segunda-feira, 11, com ação no Supremo Tribunal Federal (STF) cobrando o repasse pelo governo federal de recursos referentes a impostos que não são divididos com eles. Na ação, os Estados pedem que a União repasse 20% das receitas de contribuições que são desvinculadas por meio da Desvinculação das Receitas da União (DRU). A estimativa é que o valor pode chegar a R$ 21 bilhões por ano. 

+ Estados pressionam União por repasse de R$ 14 bilhões de receitas com o Refis

Segundo o Estadão/Broadcast apurou, uma segunda ação será impetrada pedindo o pagamento do passivo referente aos últimos cinco anos, o que poderia levar à cobrança de mais de R$ 100 bilhões. Mecanismo previsto pela Constituição, a DRU permite ao governo administrar suas contas ao determinar que 20% das receitas com impostos sejam aplicados livremente. 

+ Ex-territórios podem onerar União em R$ 2 bilhões

A ação foi encabeçada pelo governador de Minas, Fernando Pimentel (PT) e assinada por 23 governadores. São Paulo, Rio Grande do Sul e Espírito Santo não assinaram o documento.

+ Subsídio de combustíveis custaria R$ 30 bi ao Tesouro até o fim do ano

Os Estados argumentam que o governo criou contribuições para fugir da obrigatoriedade de repassar 20% das receitas, exigida para os impostos em geral. Com isso, esses tributos deixam de cumprir o papel de contribuição, em que a receita é destinada a um gasto específico, como Previdência. No entendimento dos Estados, as receitas desvinculadas deveriam ser divididas com os eles. 

A Advocacia-Geral da União (AGU) e o Ministério da Fazenda afirmaram que não foram intimados. A avaliação da área jurídica do órgão, porém, é a de que receita de contribuição não deve ser repartida com Estados. De acordo com o ministério, o STF tem o mesmo entendimento. / COLABOROU AMANDA PUPO

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.