Governo adia decisão sobre medicamentos

A Câmara Setorial de Medicamentos, composta por representantes do governo, adiou para a próxima semana a definição do índice de aumento do preço dos remédios. O reajuste vai valer a partir de fevereiro; depois, até dezembro, os preços não poderão mais subir. Em reunião ontem em Brasília, técnicos dos ministérios da Saúde, Fazenda, Justiça e Casa Civil decidiram esperar análises e números que estão sendo levantados pela área econômica antes de estipular o aumento. Os laboratórios fabricantes de remédios pressionam por um reajuste em torno de 7%. A Associação Brasileira da Indústria Farmacêutica (Abifarma) afirma que esse índice está de acordo com as fórmulas matemáticas de reajuste estabelecidas pela legislação de controle de preço de medicamentos. O reajuste leva em conta variáveis como custos de produção, importação de substâncias usadas na fabricação, flutuação do dólar e desvalorização da moeda. O congelamento e aumento de preços de remédios foram definidos por uma medida provisória sancionada em março pelo presidente Fernando Henrique Cardoso. A nova reunião da câmara, que poderá estabelecer o índice de reajuste para este ano, ainda não tem data definida.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.